Espaço do Diário do Minho

Fórmula

3 Jul 2020
Carlos Dias

Neste período de confinamento, para além do cumprimento das minhas obrigações pessoais e profissionais, aproveitei para estudar, fazer formação, assistir a palestras, também a algumas conversas, às vezes, informais, sobre as temáticas do Desporto, que me ajudaram a “passar” o tempo de forma útil e formativa. Neste contexto, assisti a uma conversa, bastante informal, entre duas figuras do desporto mundial, que me fizeram refletir sobre muitos pontos da formação dos atletas, das suas carreiras desportivas e, acima de tudo, quais as caraterísticas que ajudam muitos atletas a terem carreiras prolongadas e com muito sucesso.

O Bernardinho (treinador brasileiro, campeão olímpico de voleibol) convidou o Dany Alves (atleta de futebol do FC Barcelona) e aquilo que aconteceu foi quase mágico. Ambos, foram encontrando razões para o sucesso. Ambos, foram estabelecendo os pontos comuns entre as grandes figuras do desporto mundial, enquanto atletas ou treinadores de referência, independentemente da modalidade. De facto, o Desporto é um campo de experiências imensamente ricas, que somente quem por lá passou ou passa é que poderá entender, extrair ilações e experiências, porque os restantes dificilmente conseguem atingir o grau de entendimento da dimensão do sentimento, da emoção e profundidade desses episódios.

O Desporto é um campo privilegiado de autoconhecimento, de descoberta de competências, mas também das limitações de cada um. Dany Alves, contou alguns episódios da sua vida de futebolista, da sua história, desde as dificuldades vividas na sua infância, o início da sua carreira, até à sua situação atual. E foi gratificante perceber que as origens modestas da sua família, foram os principais motivos para que ele encontrasse o seu próprio caminho. O atleta referiu que a caraterística principal que o fez vingar foi o “sangue nos olhos”. Sustentando que a ideia do trabalho intenso e a autodisciplina, associada ao foco em objetivos pessoais, sustentaram e prolongaram as suas melhores competências, enquanto atleta e, obviamente, enquanto pessoa. A imagem do “brilho nos olhos”, aludiu o atleta, é algo passageiro, que se vai perdendo e que faz com que a ilusão seja maior que a preparação. Esta noção que as grandes dificuldades são estruturantes das personalidades resilientes, é uma ideia comum das grandes figuras. Esta conversa e, principalmente, as reflexões daí decorrentes, deveriam ser ouvidas pelos nossos jovens, principalmente aqueles que pretendem atingir determinados objetivos no desporto, e pelos seus pais.

O treino de rendimento, realizado com paixão, numa dose máxima de exigência dos fatores de treino, foco e emoção é a receita do bom desempenho competitivo. Mas, o controlo emocional também é treinável e é extremamente importante para estruturar a vida dos atletas. O treino e a competição acarretam grandes desequilíbrios, elevada pressão, competição feroz, pelo que ter a capacidade de gerir a emoção deve ser um aspeto controlável e treinado. Esta estabilidade emocional ajuda a enfrentar os problemas, as desilusões, as derrotas ou as vitórias com o distanciamento que nos permite encontrar soluções e a serenidade de não deprimir, ou iludir, não atear mais fogueiras ou exacerbar os problemas. Este ponto poderá determinante, também para o reatar desta nova fase das nossas vidas. Não tenho dúvida que o desporto entra na fórmula para as sociedades mais sólidas e estruturadas e, consequentemente, para a construção de pessoas extraordinárias.



Mais de Carlos Dias

Carlos Dias - 17 Jul 2020

Vivemos tempos de indefinição, de incerteza. O cenário que temos em pano de fundo levanta-nos mais questões, do que decisões ou certezas. A Escola tem um desafio pela frente, como nunca enfrentou. O Desporto pode ter minas armadilhadas nos campos onde se expressa. Portugal e o mundo continua com infeções e mortes, mas o maior […]

Carlos Dias - 19 Jun 2020

O Coronavírus tomou conta das conversas, fez parar a economia, fechou a alegria e a festa, desmobilizou algumas atividades humanas, atacou em força, tem feito sucumbir muitas pessoas, mas não deverá fazer parar os sonhos, as forças da humanidade e a razão da nossa própria existência. Neste sentido, não concebo que, depois de passar esta […]

Carlos Dias - 5 Jun 2020

Neste momento, apesar do desconfinamento ter iniciado a sua terceira fase do plano, ainda é preciso muito cuidado, tendo em conta aquilo que está definido como os riscos do contágio do COVID-19. A sociedade tem obrigação de manter as cautelas máximas no distanciamento, na higienização, mas também na forma como se comporta nos espaços públicos, […]


Scroll Up