Espaço do Diário do Minho

Depressão: um em cada quatro… portugueses

29 Jun 2020
António Sílvio Couto

Por estes dias um ator de algum renome terá posto termo à vida, em razão de questões, segundo consta, do foro psicológico. Este poderá ser o fundo do icebergue. Não me interessa os meandros do problema nem tão pouco embarco nos elogios de circunstância…
Por aquilo que este facto pode ser mais revelador de algo mais profundo, creio que temos de tentar, serenamente, juntar as pontas de um puzzle que tem tanto de complexo sobre o presente como de enigmático sobre o futuro, sem esquecer o entendimento do passado.
Foi numa análise àquela notícia supra citada que foi referido que um em cada quatro portugueses sobre de problemas de depressão e que, ao menos uma vez na vida, cada um de nós pode ser vítima desta doença. A dar crédito àquela estimativa poderemos considerar, numa população de dez milhões de habitantes, teremos dois milhões e meio de potenciais doentes em depressão.
Isto ofusca toda e qualquer leitura que se possa apresentar da pandemia da ‘covid-19’ e tantos outros sinais do estado de saúde da nossa população. Haverá, então, coragem para não andarmos a assobiar em forma de menosprezo deste verdadeiro fenómeno de pandemia em Portugal? Mais do que tentarmos ‘inventar’ desculpas, importa assumir, verdadeiramente, as causas, mesmo se, por momentos, nos detivermos nas consequências. Se isto é transversal à sociedade porque haverá ainda medo em enfrentarmos, por comparação, o que faz desencadear um processo de depressão.

= Segundo dados disponíveis os jovens (16-25 anos) foram os que começaram a tomar ansiolíticos e antidepressivos por ocasião desta pandemia de coronavírus ‘covid-19’, enquanto os mais velhos já recorrem a estes medicamentos de forma mais regular. Numa outra abrangência temos como dados que dezanove por cento das mulheres recorre e toma ansiolíticos e antidepressivos, enquanto nos homens isso atinge doze por cento. Em três meses de confinamento e as outras etapas subsequentes venderam-se, em Portugal, mais de cinco milhões de embalagens de ansiolíticos e antidepressivos. Estes dados colocam-nos como o quinto país da OCDE que mais consome ansiolíticos e antidepressivos, numa taxa que duplica a prática em países como a Holanda, a Itália ou a Eslováquia.

= Eis alguns dos sintomas de depressão detetáveis em doentes que manifestaram esta situação: sentimentos de tristeza e aborrecimento; sensações de irritabilidade, tensão ou agitação; sensações de aflição, preocupação, receios infundados e insegurança; perda de interesse e prazer nas atividades diárias; perturbação do sono; sentimentos de culpa e de auto-desvalorização; alterações da concentração, memória e raciocínio; sintomas físicos não devidos a outra doença; possíveis ideias de morte e tentativas de suicídio.
Talvez não seja aconselhável confrontar-se com estes indícios ou então poderemos ser induzidos a entrarmos em estado de depressão. Talvez devamos conhecer-nos melhor para conseguirmos, para além de estarmos atentos a nós mesmos e aos outros, podermos criar um clima de vigilância mútua e atenta. Talvez devamos ter mais cuidado connosco mesmos e de estarmos atentos às reações dos outros, por forma a não nos lamentarmos por já ser tarde… como vimos e ouvimos no caso mais recente com difusão pública.

= Este não pode ser um assunto tabu, na medida em que pode envolver aspetos do foro psicológico e mental, pois será um erro adiar não só o conhecimento como o reconhecimento do estado em que se possa encontrar quem sofre de depressão. Embora se possam encontrar afinidades com estados de alma – onde a tristeza pode ter um espaço significativo – não podemos confundi-los, antes enfrentá-los com verdade e serenidade.
Embora não seja assunto muito abordado poderemos/deveremos incluir neste assunto o relacionamento entre depressão e fé ou depressão e religião. Será que ter fé ou viver a prática religiosa ajuda ou não a ultrapassar o estado depressivo? Como devemos ajudar uma pessoa em depressão se ela tem um mínimo de fé?
Sendo a depressão um tema de natureza psicossomática ela tem de ser tratada primeiramente nesse âmbito para depois poderem entrar outras possibilidades, inclusive de âmbito de fé, onde a oração, a ajuda dos irmãos, a intercessão ou mesmo o recurso ao sacramento da Unção dos doentes podem ser verificados.



Mais de António Sílvio Couto

António Sílvio Couto - 3 Ago 2020

Com data de 29 de junho passado, foi tornada pública, em Roma, uma Instrução da Congregação para o Clero, intitulada: «A conversão pastoral da comunidade paroquial  a serviço da missão evangelizadora da Igreja». Em cento e vinte e quatro números, divididos em dez temas (ainda subdivididos) fazem-se algumas observações sobre a temática da paróquia. Dada […]

António Sílvio Couto - 27 Jul 2020

Parece ter chegado a hora, tão ansiada e necessária: por ocasião da pandemia de ‘covid-19’ a maioria das festas religiosas foram suspensas – pelo menos na forma mais comum e habitual – e muitas outras um tanto reformuladas à mistura com a possibilidade de corrigir tantos dos erros que fomos somando… Vou contar uma experiência […]

António Sílvio Couto - 20 Jul 2020

Numa tentativa de interpretar alguns dos momentos mais significativos e esquisitos da nossa ‘res-publica’, ousamos servir-nos de uma palavra em dinâmica denotativa – ‘saloio’ (do árabe ‘sahroi’ (deserto), como identificativo de quem vive no norte litoral de Lisboa, alguém um tanto grosseiro) – com o sufixo ‘ice’, no sentido de ato prolongado no tempo e […]


Scroll Up