Fotografia: DR

Antiga costureira preside à Romaria d’Agonia por 64 anos dedicados ao folclore

Festa de Viana em tempos do covid-19.

Redação
25 Jun 2020

A antiga costureira de 76 anos, 64 dos quais dedicados ao folclore, Rosa Caetano, foi a figura escolhida para presidir à comissão de honra da Romaria d’Agonia, foi hoje anunciado pela Câmara de Viana do Castelo.

“Fiquei muito feliz. Sinto-me muito feliz. Não estava à espera. Não é nada que às vezes a gente não mereça, mas esta era a única coisa que não esperaria”, afirmou hoje à Lusa Rosa Caetano.

A presidência da comissão de honra da Romaria d’Agonia é uma função que, por inerência, cabe ao presidente da Câmara de Viana do Castelo, mas que há mais de duas décadas é delegada em figuras que “contribuem para a promoção do concelho e das festas”.

A fadista Amália Rodrigues, o antigo embaixador Francisco Seixas da Costa, a artista plástica Joana Vasconcelos e o presidente da Casa do Minho do Rio de Janeiro Agostinho dos Santos, entre outros, já desempenharam aquelas funções.

Este ano, o presidente da Câmara de Viana do Castelo, José Maria Costa, delegou esta função em Rosa Caetano, natural da freguesia da Meadela, “figura de referência no concelho por uma vida dedicada ao folclore e à arte de bem trajar”.

“Rosa Caetano é personalidade destacada no meio associativo pelo empenho apresentado na preservação das tradições e costumes e na divulgação do Traje à Vianesa. O nome de Rosa Caetano é sobejamente conhecido em Viana do Castelo. Aos 76 anos de idade, nascida e criada na freguesia da Meadela, foi costureira de profissão e integrante de grupos folclóricos por paixão. Hoje, é considerada uma das vozes mais experientes no que toca à arte de bem trajar e ourar”, destaca a nota hoje enviada pela Câmara.

Rosa Caetano “conta com a experiência de 64 anos de folclore, entre o Grupo Folclórico das Lavradeiras da Meadela, o seu grupo de coração, onde ainda integra o coro, e os nove anos em que integrou o Grupo Folclórico de Santa Marta de Portuzelo”.

“Uma das grandes honras da vida de Rosa Caetano foi ter recebido um convite do etnógrafo vianense Amadeu Costa para colaborar com a preparação do Museu do Traje, criado em 1997, vestindo os manequins que, ainda hoje, integram a coleção permanente do museu”, especifica a nota.

 





Notícias relacionadas


Scroll Up