Fotografia: CMF

Paulo Cunha diz que lay-off evitou agravamento do desemprego… mas teme o pior

Autarca deixou, ainda, elogios às empresas do têxtil de Famalicão.

Pedro Vieira da Silva
16 Jun 2020

«Será inevitável um aumento do desemprego nos próximos tempos. Ainda não foi tão sentido como será num futuro próximo, devido ao lay-off, que permite que algumas empresas continuem ativas e consigam sustentar alguns postos de trabalho», vincou o presidente da autarquia famalicense, Paulo Cunha, esta manhã, durante uma visita a duas empresas de Famalicão (Fradelsport e Hidrofer).

 

«Esta é uma crise sem paralelo e, como sabemos, outras crises “menores” trouxeram o concelho volumes de desemprego na ordem dos 20 por cento. Imagine-se, por isso, as consequências e os números que esta crise pandémica pode provocar, porque é muito mais grave do que as outras que já vivemos», destacou o presidente da Câmara Municipal de Famalicão, acrescentando que a autarquia, em conjunto com o Governo, as entidades ligadas ao emprego, as empresas, empresários e trabalhadores «tudo dará para dar condições» para «ajudar a minimizar o impacto» da crise atual.

 

«Portanto, é un sinal daquilo que as empresas em Famalicão fizeram e permitiram que aparecessem na linha da frente, não só nas máscaras, mas dos EPI’s, que dessem uma resposta à comunidade. E quando se fala na produção de máscaras não é só a parte comercial/ mercado. Fala-se de saúde pública e se não fosse a capacidade destas empresas, e particularmente as portuguesas e concretamente as de Famalicão, ao nível da produção de máscaras, este desconfinamento que o país e uma parte substancial do Mundo está a a fazer não seria possível, pelo menos tão depressa quanto desejável. Porque não havia no mercado os equipamentos que permitissem que as pessoas saíssem de casa com algumas condições de segurança no que diz respeito à saúde pública. E existiu uma resposta à altura do setor empresarial de Famalicão»

 

<p align=”JUSTIFY”><span class=”credit_foto_editor_part2″>[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]</span></p>





Notícias relacionadas


Scroll Up