Fotografia: Partido Comunista Português

Jerónimo de Sousa (PCP) alerta para «ilusões» e riscos do teletrabalho

O responsável máximo do PCP destaca que o teletrabalho permite «a redução de custos das empresas com a transferência para o trabalhador de custos de instalações, água, eletricidade, bem como a pressão para o uso de instrumentos de trabalho do trabalhador ao serviço da empresa».

Redação/Lusa
9 Jun 2020

O secretário-geral do PCP prometeu hoje combater “as ilusões” e os riscos de perda de direitos dos trabalhadores da “generalização do teletrabalho em casa”, em tempos de pandemia de covid-19.

A promessa foi feita por Jerónimo de Sousa numa audição pública, através de videoconferência nas redes sociais, no site” do PCP, nas redes sociais Facebook, Twitter e Youtube, na abertura do debate com sindicalistas, a partir da sede do partido, em Lisboa.

“Contribuiremos para esclarecer as ilusões sobre a generalização do teletrabalho em casa como solução alternativa de prestação de trabalho, combateremos as linhas de fragilização dos trabalhadores”, disse, numa altura em que este tipo de organização está a ser usada por muitas empresas e até pela função pública devido ao surto do novo coronavírus.

Sem pôr em causa a utilidade dos meios digitais no mundo laboral, Jerónimo de Sousa avisou para “os riscos” do uso do teletrabalho pelas empresas e pelo “grande capital”.

“Querem fazer o caminho para acabar com componentes da remuneração dos trabalhadores, no imediato ou a prazo, nomeadamente o subsídio de refeição, de transportes e outros de incidência familiar”, argumentou.

As empresas, advertiu, querem “desresponsabilizar-se das questões de segurança e saúde no trabalho e da proteção de acidentes de trabalho”, estabelece “a confusão entre o que é esfera privada ou de trabalho em condições de teletrabalho no domicílio, para fugir às responsabilidades” que “têm que assumir”.

O “grande capital”, segundo Jerónimo de Sousa, quer agravar a “exploração com intensificação do trabalho, na duração e ritmo, uma maior pressão para alargamento do período de trabalho, para a disponibilidade permanente”.

E com isso, concluiu, pretende igualmente “a redução de custos das empresas com a transferência para o trabalhador de custos de instalações, água, eletricidade, bem como a pressão para o uso de instrumentos de trabalho do trabalhador ao serviço da empresa”.





Notícias relacionadas


Scroll Up