Espaço do Diário do Minho

Ó sino da minha aldeia…

8 Jun 2020
P. João Alberto Correia

Durante quase três meses, por ausência de culto, os sinos apenas tocaram para chorar os mortos, fazendo-me recordar o romance de Ernest Hemingway, Por quem os sinos dobram. De modo festivo, só tocaram em dia de Páscoa.

Quando, a 30 e 31 de maio, em júbilo, voltaram a chamar para o culto, invadiu-me um misto de sentimentos. Tal como o sino, também eu bamboei entre o sonho e a realidade, a alegria e a tristeza, a saudade que reclama o passado e a esperança que sugere o futuro. Veio-me à mente, de imediato, o poema de Fernando Pessoa:

Ó sino da minha aldeia,

Dolente na tarde calma,

Cada tua badalada

Soa dentro da minha alma.

 

E é tão lento o teu soar,

Tão como triste da vida,

Que já a primeira pancada

Tem o som de repetida.

 

Por mais que me tanjas perto

Quando passo, sempre errante,

És para mim como um sonho.

Soas-me na alma distante.

 

A cada pancada tua

Vibrante no céu aberto,

Sinto mais longe o passado,

Sinto a saudade mais perto. 

Depois disso, dei por mim a refletir sobre o sino (do latim, signum, -i, sinal), no uso e na simbólica. Se as Igrejas Cristãs lhe dão um especial relevo, a Igreja Católica possui até um ritual de bênção para os sinos. A tradição eclesial olha-os com estima e veneração, considerando-os a voz de Deus e da Igreja.

“É costume antigo convocar o povo cristão e adverti-lo dos principais acontecimentos da comunidade local por meio de algum sinal ou som. O toque dos sinos exprime de algum modo os sentimentos do povo de Deus, quando exulta ou chora, quando dá graças ou suplica, quando se reúne e manifesta o mistério da sua unidade” (Celebração das Bênçãos, n.º 1032). 

Talvez já não se lhe dê hoje tanta importância, mas não deixa de ser relevante a sua função, nas torres das Igrejas e Capelas. O sino assinala o ritmo do tempo, dando as horas, mas também sugere um outro tempo, para além do cronológico, em que a graça de Deus se faz sentir, nas celebrações (a Escritura chama-lhe “tempo da graça” [Is 49, 8] ou “tempo favorável” [2 Cor 6, 2] e a teologia costuma designá-lo como “tempo kairótico”). 

O sino lembra os momentos de oração (Angelus ou Avé-Marias, ao meio dia; Trindades, ao anoitecer) e chama para a Eucaristia e para os principais acontecimentos da vida da comunidade cristã. Recorda-nos que somos uma só família e que nos reunimos para louvar Deus e celebrar a vida. 

O sino dá sinais à comunidade: de alegria, nos casamentos e batismos; de tristeza, nos funerais; de perigo, nas catástrofes (incêndios). O toque do sino tem a finalidade de unir a comunidade em torno de acontecimentos que lhe dizem respeito, mesmo que exprimam vivências particulares. Para quem participa, o seu toque é lembrete e chamamento; para quem o não faz, soa a rebate de consciência. Não admira que incomode e perturbe.

É paradoxal que a sociedade esteja a despertar para o valor artístico e cultural do toque dos sinos (é assunto de estudos e concursos) e, por outras razões, haja quem o queira silenciar. Há uma semana atrás, nas redes sociais, houve quem lhe chamasse “poluição sonora”. Tal afirmação é, em meu entender, grave, porque confunde a sua musicalidade com a poluição sonora e porque esquece a tradição e a cultura, a sonoridade e a simbólica dos sinos. Sem o nível de Fernando Pessoa, termino como comecei: 

Ó sino da minha aldeia,

Querem fazer-te calar.

Toca! Fico de alma cheia,

Quando te ouço tocar.



Mais de P. João Alberto Correia

P. João Alberto Correia - 8 Ago 2022

Imolação por amor. Assim se intitula um interessante livro que, há muitos anos, li sobre Edith Stein (Santa Teresa Bendita da Cruz), cuja Memória Litúrgica se celebra amanhã, dia 9 de agosto. O livro foi escrito por Eduardo Gil Muro e editado, em parceria, pelo Apostolado da Oração (Braga) e pelas Edições Carmelo (Oeiras), no […]

P. João Alberto Correia - 1 Ago 2022

Porque o dia 31 de julho ocorreu, neste ano, a um domingo, perdeu expressão a Memória Litúrgica de Santo Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus (Jesuítas). Este facto e a grandeza do santo em questão são motivos mais que suficientes para que lhe dediquemos a crónica de hoje. Iñigo López de Oñaz y […]

P. João Alberto Correia - 25 Jul 2022

Celebrou-se ontem, dia 24 de julho, o II Dia Mundial dos Avós e Idosos. Para o efeito, o Papa Francisco publicou uma interessante mensagem de que nos fazemos eco, citando algumas das suas mais relevantes afirmações. Começa por explicar o título da mensagem: “o versículo 15 do Salmo 92 – «dão fruto mesmo na velhice» […]


Scroll Up