Espaço do Diário do Minho

Ideias
5 Jun 2020
Luís Covas

Nos últimos artigos tenho tido a preocupação de me dedicar, quase exclusivamente, ao que será o futuro do desporto no nosso país e por esse mundo fora, face aos efeitos nefastos que a pandemia Covide-19 originou no setor e que consequências trará para a grande maioria das modalidades desportivas praticadas, nomeadamente as de pavilhão.

Ao contrário do desejo de muitos, que receiam a mudança, e que pensam que depois desta pandemia tudo vai ficar na mesma, eu creio que nada será como dantes.  A voragem dos pensamentos que pairam na minha cabeça, balançam entre tentar compreender as grandes transformações que esta situação irá certamente provocar na sociedade em geral e no desporto em particular e as implicações que isso terá nas nossas vidas e comportamentos.

Por mais que me esforce, e por mais de gostasse de poder apresentar grandes soluções e estratégias, grandes perspetivas e caminhos para tornar o desporto de pavilhão como elemento preponderante e aglutinador com um impacto social determinante, face aos seus benefícios, os meus pensamentos atropelam-se e não consigo ainda arrumar e projetar as minhas ideias.

Como vai ser o desporto daqui para frente? Saberemos encontrar soluções para superar esta profunda crise e relançar as modalidades nesse desígnio nacional, tão ambicionado por todos, face à importância que o mesmo possui na melhoria da saúde pública e do bem-estar de todos os cidadãos? Será que o caminho é o regresso, assim que possível, aos pavilhões ou retomar a prática, bem sei que com menores condições, em espaços ao ar livre? O que é mais importante conquistar os pavilhões ou retomar, de uma forma, o mais alargada possível, a sua prática? Sinceramente não sei. Apenas algumas ideias e muitas dúvidas…mas penso que nada será como dantes e só o futuro o dirá!

Tenho pensado nalgumas sugestões, e em algumas propostas pontuais, mas enquanto não se encontrarem respostas para o vasto turbilhão de dúvidas que assolam as nossas cabeças vou pensando nas pequenas/grandes implicações, que o pós Covid-19 terão no recrudescer do desporto em geral e nas modalidades em particular. Assim a título de exemplo, e em jeito de brincadeira, penso que será mais fácil do que nunca explicar o distanciamento que devem ter uns dos outros e compreender a situação, o que nos ajuda a resolver o problema da aglomeração.

Todo este pensamento e considerações nasceram ao ouvir uma das minhas canções preferidas de Zeca Afonso que começa com: “amigo maior que o pensamento por essa estrada amigo vem”; “seja bem-vindo quem vier por bem” e termina “em sonhos me visitaram traz outro amigo também.”

Mais do que nunca temos que saber sonhar, possuir muitas ideias, ser maiores que o pensamento e ter a capacidade de trazer muitos amigos também.



Mais de Luís Covas

Luís Covas - 3 Jul 2020

Estamos habituados a olhar para as grandes competições desportivas como eventos cada vez mais dedicados ao comércio ou ao entretenimento, descurando a atividade desportiva como peça central do mesmo. No entanto, as grandes competições desportivas são oportunidades para a promoção das modalidades e da sua prática, não devendo ser descurado esse campo por todos aqueles […]

Luís Covas - 19 Jun 2020

Praticar desporto é essencial, não só para a saúde física, como também para a saúde mental. É uma frase que rima mas não se fique com a ideia de que se trata de uma frase feita, porque na realidade não o é. A vida não se pode resumir a estudar ou trabalhar, comer e dormir, […]

Luís Covas - 22 Mai 2020

No meu artigo anterior abordei a temática do que será o futuro do desporto português, face ao contexto atual que vivemos, e as consequências que esta pandemia vai deixar no setor desportivo duma sociedade moderna, atualizada e saudável. Coloquei alguma apreensão quanto ao futuro, na fidelização de muitos praticantes das diversas modalidades, face à conjuntura […]


Scroll Up