Fotografia: DR
Manuel Heitor pede esforço coletivo para um novo ensino da era pós-Covid

O Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior esteve esta manhã no auditório da UMinho, na iniciativa Skills 4 pós-Covid.

Redação / NC
26 Mai 2020

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, apelou hoje em Guimarães «a um esforço coletivo», pois «só dessa forma se encontrarão os caminhos mais adequados para a construção de uma sociedade mais bem preparada para reagir a crises como a que estamos a viver», disse no âmbito do atual contexto covid-19.

Em declarações no Auditório Nobre da Universidade do Minho, onde teve lugar uma sessão de lançamento e promoção da iniciativa “Skills 4 pós-Covid – Competências para o futuro”, promovida pela Direção Geral do Ensino Superior (DGES), em estreita articulação com a OCDE, e em colaboração com as instituições de ensino superior e empregadores públicos e privados,  Heitor considerou que «a questão crítica para o Ensino Superior é a capacidade de se adaptar as novas exigências de viver numa sociedade com risco».

Para tal o  ministro considerou, ainda que não abdicando da sua matriz intrínseca, que as universidades devem estabelecer «um diálogo permanente com as empresas, que dê origem a uma inovação pedagógica».

«Estamos a falar para lá do ensino à distância, pois o processo de aprendizagem exige presença física», sublinhou mesmo.

Outro dos aspetos essenciais de uma nova abordagem para o ensino, segundo o ministro, é a criação de «redes europeias, capazes de instituir uma nova cidadania de fronteiras mais alargadas».

«O contexto de incerteza combate-se com o conhecimento», disse

O objetivo da iniciativa “Skills 4 pós-Covid – Competências para o futuro” é estimular uma rápida adaptação em práticas e abordagens de ensino, aprendizagem, trabalho e investigação que, agora mais do que nunca, se mostram decisivas para a forma como deverá ser encarado o ensino no futuro imediato, bem como no futuro de médio e longo prazo.

Rui Vieira de Castro, na sua intervenção, relevou os novos desafios que se colocam à universidade na era pós-Covid, e que passam por alterações do foro do emprego e da economia, o que faz com que seja necessário estreitar a ligação entre o Ensino Superior e o mercado de trabalho.

O reitor da UMinho disse ainda que a aceleração da transição digital, ambiental e energética que se espera trará também um novo quadro de desafios para as instituições de Ensino Superior, mostrando-se convicto de que são necessárias soluções inovadoras que dotem os alunos de novas competências e instrumentos, não colocando de parte a realização de cursos de curta duração, em estreita colaboração com os empregadores. Segundo o Reitor, são estes projetos inovadores e socialmente relevantes, para a Universidade do Minho, prioritários e estratégicos.

A iniciativa “Skills 4 pós-Covid – Competências para o futuro” contou ainda com intervenções de vários convidados que partilharam a sua visão sobre a relação do Ensino com a empregabilidade, bem como com a presença de um conjunto de empresários dos mais variados setores de atividade.





Notícias relacionadas


Scroll Up