Espaço do Diário do Minho

Em jeito de homenagem a S. João Paulo II, Magno(1)
21 Mai 2020
Carlos Aguiar Gomes

No passado dia 18 ocorreu o 1.º centenário do nascimento do grande e inigualável Papa, o nosso muito querido S. João Paulo II, Magno.
Dadas as actuais limitações sanitárias, a celebração desta efemérida teve pouco brilho, pois as Missas comemorativas foram, em todo o mundo, praticamente “virtuais” e foi pena. Nesse dia nasceu em 1920, na Polónia, um gigante maior da Igreja. Nesse dia deveríamos recordar, também, os seus pais, que estão em processo de beatificação.
S. João Paulo II foi lembrado de vários modos, mas, para mim, o melhor e brilhante foi a carta que o Papa Emérito Bento XVI escreveu a propósito deste centenário e que ( intencionalmente!) se quis ignorar. Permitam-me que transcreva um segmento dessa carta, que me tocou particularmente:
«Quando o cardeal Wojtyla foi eleito sucessor de São Pedro em 16 de outubro de 1978, a Igreja estava em uma situação desesperada. As deliberações do Concílio apresentavam-se ao público como uma disputa sobre a fé, o que parecia privar a própria fé da sua certeza indubitável e inviolável. Um pastor bávaro, por exemplo, comentando a situação, dizia: “No fim, acolhemos uma fé falsa”. Esta sensação de que não havia nada seguro, de que tudo estava em aberto, foi alimentada pela forma como se implementou a reforma litúrgica. Tudo, afinal, parecia factível na liturgia. Paulo VI tinha fechado o Concílio com energia e determinação, mas, uma vez terminado, ele viu-se confrontado com mais assuntos, sempre mais urgentes, o que acabou colocando a própria Igreja em escrutínio. Os sociólogos compararam a situação da Igreja naquele momento com a da União Soviética sob Gorbachov, quando toda a poderosa estrutura do Estado se derrubou na tentativa de a reformar.
Uma tarefa que superava as forças humanas esperava o novo Papa. Entretanto, desde o primeiro momento, João Paulo II despertou um novo entusiasmo por Cristo e pela Sua Igreja. Primeiro, ele o fez com o brado no sermão inicial do seu pontificado: “Não tenham medo! Abram, ou melhor, escancarem as portas para Cristo!”. Esse tom determinou todo o seu pontificado e transformou-o num renovado libertador da Igreja.»
Lembrar S. João Paulo II Magno é trazer à ribalta da Igreja e do mundo a defesa de valores que não estão na moda: a DEFESA INCONDICIONAL DA VIDA HUMANA ( da concepção – logo contra o aborto – até à morte natural – logo contra a eutanásia) e da FAMÍLIA ( logo contra todos os “esquemas” mais ou menos descaradamente “abençoados” de novas comunidades a que chamam Família e que mereceram a condenação deste santo Papa). Quem, hoje, tem a coragem de falar da “Familiaris consortio”, da “ Evangelium vitae”, “ Da carta às Famílias” e de tantos outros documentos papais de S. João Paulo II Magno, sem ser apodado de “integrista” ou …imagine-se, da “extrema direita”! E quem se lembra da sua primeira Encíclica – “Redentoris hominis”? Mas também do amor, respeito e adoração à Santíssima Eucaristia. De um acrisolado amor a Maria Santíssima.
S. João Paulo II, Magno, foi um Homem determinado e corajoso. Lembram-se, caros leitores, do raspanete veemente que deu a um jesuíta (Ernesto Cardinali), Ministro do Governo Comunista da Nicarágua, quando, com o Governo, foi receber o Papa ao aeroporto? Lembram-se como deu a comunhão na boca à Senhora Giscard D’Estaing, mulher do Chefe de Estado francês, e que se apresentou com as mãos para comungar (esta cena mereceu duas páginas centrais do PARIS MATCH em que se vê o Papa ignorando a ousadia da dita senhora)? Lembram-se da “limpeza” que começou a fazer na Cúria pontifícia (Mons. Bugnini, o célebre Bugnini, por exemplo, foi “despachado” como Núncio para …. Teerão!).
(Continua no próximo artigo)



Mais de Carlos Aguiar Gomes

Carlos Aguiar Gomes - 26 Jun 2020

Tenho um grande desgosto de nunca ter estudado música. No Liceu, tive dois anos de Canto Coral, com um grande Mestre mas pouco pedagógico. Nada aprendi. Gosto imenso de Música (intencionalmente escrevo com inicial maiúscula) e todos os dias oiço muita. E em viagem, nunca me esqueço de escutar boa Música. Não gosto de toda […]

Carlos Aguiar Gomes - 18 Jun 2020

Todos conhecemos este diálogo entre o Duque de La Rochefoucauld-Liancourt e o Rei de França, o mártir, Luís XVI. Este, quando a 15 de Julho de 1789 foi informado que na véspera tinha sido invadida a Bastilha e de lá tirados os poucos malfeitores presos, entre eles um célebre marquês de Sade, perguntou ao duque […]

Carlos Aguiar Gomes - 15 Jun 2020

Quero começar por afirmar que sempre combati a ideia de raça, um conceito que é, acima de tudo, ideológico (dos extremos). Não admito, nem nunca admiti que haja Homens superiores e Homens inferiores. Há Homens diferentes e é essa diferença que enriquece a espécie humana, Homo sapiens, a única espécie humana. Diferentes na inteligência, nas […]


Scroll Up