Fotografia: Ana Marques Pinheiro
Braga junta-se à vigília pela cultura e denuncia dificuldades sérias do setor

Pequenos grupos foram-se juntando durante a tarde à frente do Theatro Circo.

Ana Marques Pinheiro
21 Mai 2020

Braga juntou-se hoje a muitas cidades do país na Vigília Cultura e Artes que pretendeu chamar a atenção para os profissionais do setor que ficaram sem qualquer fonte de rendimento, que consideram escassas as medidas implementadas pelo Estado e Ministério da Cultura e que, muitos deles, não se enquadram nos apoios criados.

A mobilizadora da ação em Braga, Marta Moreira, referiu que a cidade tem um setor cultural e artístico representativo «que não podia deixar de simbolizar esta ação, mesmo forma modesta».

Também em representação de um coletivo de artistas chamado Plataforma do Pandemónio, Marta Moreira, deu conta que doze pessoas responderam ao apelo que foi lançado à última da hora, em Braga.

«A presença mais significativa é nas redes sociais. Estamos cá porque é preciso garantir a subsistência dos profissionais que trabalham no setor da cultura. Estamos a falar de um universo de 130 mil trabalhadores em Portugal, em que apenas uma pequena percentagem é elegível para os apoios da Segurança Social», disse Marta Moreira. 

[Notícia completa na edição de amanhã do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up