Fotografia: DM

Arcebispo de Braga apela à solidariedade para com os mais pobres

D. Jorge Ortiga lembra que a verdadeira alegria de viver está no «serviço desinteressado».

Rita Cunha
7 Mai 2020

«Sejamos generosos no serviço desinteressado e encontraremos a verdadeira alegria de viver». Este foi o conselho deixado pelo Arcebispo de Braga, ontem, na eucaristia a que presidiu na capela do Paço Arquiepiscopal, transmitida online pelos canais da Arquidiocese.

Lembrando em particular os pobres, os que «precisam de coisas essenciais para uma vida de tranquilidade e serenidade», D. Jorge Ortiga convidou os fiéis a partilhar. «A fome já bate à porta de muitas famílias. Que Deus abra os corações dos que podem partilhar de tal maneira que ninguém viva sem o que é necessário para viver», exortou.

Já na homilia, o Arcebispo de Braga concretizou esta ideia falando acerca da felicidade e do caminho que deverá ser percorrido na sua direção. «Todos desejamos ser felizes e a felicidade tem muitos rostos: pode ser material, física ou espiritual. Esta última nem sempre é devidamente considerada e, nestes tempos de mentalidade consumista e hedonista, olhamos mais para o que dá prazer imediatamente», disse, vincando a necessidade se «reconhecer que a felicidade interior que resulta de opções e de atitudes é superior» embora possa parecer «secundária», já que «é ela que vai dar alegria na vida».

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up