Fotografia:

Guimarães aprova protocolo de colaboração para testagem em lares e instituições

Domingos Bragança anunciou ainda novos desenvolvimentos em relação ao hospital de retaguarda.

20 Abr 2020

A Câmara de Guimarães anunciou hoje a aprovação de um protocolo de colaboração a Associação Centro de Medicina P5, da Universidade do Minho, e o Hospital Senhora da Oliveira, cujo objetivo é «a realização de testes na população sénior residente em Lares e Instituições do concelho de Guimarães».

«Esta é uma medida que vem aumentar a capacidade do número de testes já efetuados nessas instituições, em Guimarães, numa altura em que as necessidades de material começam a ser supridas de uma forma mais intensa e regular», lê-se na nota de imprensa enviada às redações.

Este protocolo resulta da necessidade de testar com maior celeridade a população mais idosa e vulnerável, e soma às unidades de rastreiro existentes.

«Esta é uma solução complementar ao trabalho das autoridades regional e nacional de saúde e que, sem prejuízo do indispensável rigor científico, será capaz de acelerar a quantidade de testes. A Associação Centro de Medicina P5, em colaboração com o Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde (ICVS), será a entidade prestadora de cuidados nesta área», frisa ainda a autarquia.

Em relação à instalação de um hospital de retaguarda, Domingos Bragança referiu a existência de uma proposta do Ministério da Saúde, em articulação com o Corpo Clínico do Hospital Senhora da Oliveira, o Hospital de Braga, a Escola de Medicina da Universidade do Minho e o Exército Português, para que este seja de âmbito regional, a instalar possivelmente no Regimento de Cavalaria Nº 6, em Braga, de forma a dar resposta às necessidades dos hospitais de Guimarães e de Braga.

Segundo o presidente da Câmara, não obstaculiza a possibilidade de, no caso de uma alteração do cenário epidemiológico, se possa avançar para a instalação de um hospital de retaguarda em Guimarães.

«Neste momento, e segundo os responsáveis do Corpo Clínico do Hospital Senhora da Oliveira, o quadro da pandemia no concelho de Guimarães permite que se avance para uma solução regional. E isso é positivo, pois significa que o número de infetados no concelho não é tão grave como inicialmente se previa, não pondo em causa uma eficaz capacidade de resposta do nosso Hospital. Contudo, a todo o momento podemos estar a falar de uma realidade diferente que nos leve a voltar à primeira forma», disse Domingos Bragança.

 





Notícias relacionadas


Scroll Up