Fotografia: DM

Juntos por Braga vai colocar venda do estádio no programa eleitoral para eleições de 2021

Obra já custou aos cofres públicos quase 200 milhões de euros.

Redação/Lusa
17 Abr 2020

A Câmara de Braga desistiu da ideia de fazer um referendo sobre a venda do Estádio Municipal, adiando esse escrutínio para as eleições autárquicas de 2021, disse hoje o presidente da autarquia.

Em declarações à Lusa, Ricardo Rio, eleito pela coligação PSD/CDS/PPM, explicou que a realização do referendo, que chegou a estar pensada para o primeiro trimestre de 2020, foi inviabilizada pela situação decorrente da pandemia da covid-19.

«Com esta situação, não havia condições para realizar o referendo num horizonte próximo, pelo que desistimos dessa ideia e vamos incluir a venda do estádio no nosso programa eleitoral para as autárquicas de 2021. Se ganharmos, teremos a legitimidade política necessária para avançar com o dossiêΩ, sublinhou.

Ricardo Rio lembrou que a venda do estádio não fez parte do seu último programa eleitoral, pelo que o referendo local tinha sido o meio entretanto pensado para legitimar politicamente a iniciativa.

O Estádio Municipal de Braga foi construído na altura do Campeonato Europeu de Futebol de 2004, sendo um projeto assinado pelo arquiteto Souto Moura.

Para Ricardo Rio, o equipamento é «um fator de entropia» à gestão da autarquia, devido aos gastos que tem obrigado a realizar.

O autarca apontou que uma obra orçamentada em 65 milhões de euros já obrigou a gastar 165 milhões, entre derrapagens e condenações judiciais, sendo que a fatura poderá ainda passar os 192 milhões.

 

<p align=”JUSTIFY”><span class=”credit_foto_editor_part2″>[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]</span></p>





Notícias relacionadas


Scroll Up