Fotografia: Projeto Homem

Criatividade, exercício e novas tecnologias ajudam utentes a ultrapassar o rigor do isolamento

Notícia integra reportagem do Diário do Minho sobre reação do Projeto Homem à pandemia da Covid-19

Joaquim Martins Fernandes
9 Abr 2020

Sujeitos a um confinamento social rigoroso, que obrigou à suspensão absoluta do contacto direto com familiares e amigos, as seis dezenas de utentes que estão internados na Comunidade Terapêutica do Projeto Homem, em Braga, vivem agora um quotidiano marcado pela criatividade individual e das equipas técnicas, pela prática do exercício físico e mental e pelo recurso às novas tecnologias de comunicação para o contacto “direto” com a rede de relações que têm de ficar à distância.

Para poder continuar a cumprir a sua missão e manter todas as respostas ativas, o Projeto Homem implementou um plano de contingência em todas as valências, a par de medidas extraordinárias.

«Para conter e mitigar eventuais consequências destas circunstâncias excecionais, as saídas dos utentes ficam suspensas por tempo indeterminado, bem como todas as visitas e entradas de qualquer pessoa que não faça parte da equipa técnica», afirmou a socióloga Sara Leite, responsável pelo Departamento de Comunicação da Instituição Particular de Solidariedade Social ligada à Arquidiocesse de Braga.

Famílias, voluntários e pessoas em estágios curriculares não entram nas instalações da instituição enquanto durar o período de distanciamento social, refere a especialista, acrescentando que, no seio da Comunidade Terapêutica, «foram ainda adotadas medidas de conduta social, evitando os cumprimentos, respeitando a etiqueta respiratória e medidas de distanciamento social». A redução do número de participantes em todas as atividades, sejam elas de caráter terapêutico, lúdico ou ocupacional, foi uma outra medida.

«Para evitar a concentração de pessoas no mesmo local, foi criado um novo espaço destinado a servir de refeitório, separando, assim, os utentes em dois grupos, na hora das refeições», precisa a técnica.
[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up