Espaço do Diário do Minho

A Herança e a Memória
6 Abr 2020
Paulo Sousa

Um dos predicados da minha geração foi ter sido educado na base de que o saber e a experiência eram características dos mais velhos que tinham de ser respeitados e fazer parte da aculturação económica, social e política. Aprendemos a ouvi-los, através das suas histórias, observamos e assimilamos as múltiplas facetas enquanto conhecedores e conhecedoras das coisas da vida e necessariamente aprendemos a gostar deles com o afeto umbilical devido a pais e avós.

As últimas décadas permitiram que se assistisse a uma apagão em crescendo da nossa memória coletiva, não só porque a sociedade deu mote ao isolamento e ao desprezo, preferindo a novidade egocêntrica, como também pelo “piedoso” acto de contrição que remeteu os mais velhos para uma espécie de manta de retalhos, elaborada a partir das necessidades dos mais novos. E agora, quando os ventos amainavam e calcorreavam as margens da esperança para que se erguessem políticas avançadas de inclusão, de dignidade e temperança, são novamente os mais velhos a serem chamados à dolorosa experiência que os remete para a estatística dos falecidos a uma velocidade estonteante que parece ter deixado para trás a infindável procura de uma vida mais longa e com melhor qualidade. Mais uma vez, os mais velhos estão na linha da frente nesta como em muitas outras guerras que tiveram de combater. Cai sobre eles o peso de uma herança que se apresta a ficar vazia e uma memória que a poucos servirá, quando todos devíamos beber dela o mais tempo possível. Cabe a cada um de nós, infindavelmente, dar suporte a tudo quanto for possível fazer para substituir o egoísmo pela destreza de carácter, invertendo qualquer margem que atenue ou procure atenuar a culpa. Sim, a culpa pelo abandono, pela destemperança permanente, pela perceção enviesada das prioridades que nos ligam moralmente. Assistir ao descalabro geracional a que nos propomos quotidianamente, não foi nem é solução. Pelo contrário, valorizar, cuidar e aprender deve ser um esforço permanente para que todos e todas tenham a oportunidade de sair dos cuidados intensivos a que os remetemos numa espécie de caixa de Pandora, cerceativa dos seus direitos e da sua condição de homens e mulheres, não de outro tempo mas deste tempo, o mesmo que tanto valorizamos enquanto consumidores atabalhoados da vida. Os pais e avós são o nosso pêndulo, os condutores da nossa sonoridade, a plêiade do nosso futuro. Não é lícito que façamos de conta que nos esforçamos para inverter a curva sinistra que se abate sobre eles. Essa condição da inevitabilidade não é aceitável.

Do mesmo modo a que nos habituamos no quotidiano a olhar para a frente sem beber do passado que tanta falta faz a todos, é claro que o que fizermos hoje determinará a nossa condição humana amanhã.

Por isso, senhor General Eanes, a sua condição e a sua predisposição para a fatalidade não é aceitável, nem o sacrifício da sua geração pode ser transformado num retrato dos compêndios da história, simplesmente porque não é aceitável que os mais novos desistam de si. A sua disponibilidade eleva a moral do comportamento, é sábia e toca na maior ferida aberta pela minha geração e infecionada pelos mais novos que eu. Ambos temos um preço a pagar permanentemente e por muito que hoje, nos falte a capacidade para esboçar uma palavra de agradecimento, preservar a sua memória e o seu legado, não podem ser adversários da vida, mas tão só uma condição humana que nos deve mobilizar em tempos de incerteza e de Medo.

Não podemos nem devemos olhar para a Herança e Memória – palavras fortes a que nos habituamos a ver e a assimilar como se de um produto de consumo se tratasse – como meros substantivos da cadeia geracional. Elas foram e são o pão que alimenta a condição do ser humano. Desistir dos mais velhos é desistir do Tempo e sem ele não somos nada.



Mais de Paulo Sousa

Paulo Sousa - 1 Jun 2020

As citações que se seguem fazem parte dos manuais de Conceção e Desenvolvimento e poucos lhe atribuirão a importância devida por não se reverem nas suas lições, apesar de serem exemplos típicos de um modo de estar luso que passou da ausência ao excesso de planeamento. A primeira das citações, de que desconheço o autor, […]

Paulo Sousa - 25 Mai 2020

É um tema recorrente e vale apena voltar a ele sempre que a oportunidade de abordar a internacionalização do conhecimento se mostra pertinente. Empresas, instituições, organismos públicos e/ou privados são chamadas a classificar e assumir como estratégica a abordagem das suas estruturas a um dos mais importantes desafios da atualidade: a globalização das boas práticas […]

Paulo Sousa - 18 Mai 2020

De tempos em tempos, a palavra fusão entra no nosso léxico urbano com anúncios de fusão de empresas. Ganhar escala costuma ser um dos argumentos usados pelos empresários para juntarem os “trapos” e assumirem um novo desígnio. Por norma, se a estratégia estiver bem delineada, costuma ser um sucesso para quem a protagoniza, e uma […]


Scroll Up