Fotografia: CM Braga

Câmara de Braga propõe viagens culturais sem violar o confinamento social

Semana Santa de Braga vai motivar um conjunto de atividades diversas que evocam as várias realizações de matriz religiosa, anunciando-se «conteúdos e documentários muito interessantes»

Joaquim Martins Fernandes
5 Abr 2020

Abrir as portas do mundo da cultura aos bracarenses, mas sem violar a orientação máxima de “ficar em casa”. As propostas da Câmara Municipal de Braga para o período de confinamento social são muitas e vão tornar-se uma presença habitual nas casas dos cidadãos.

Património, cultura, desporto e tradições são as principais áreas em que as iniciativas municipais vão incidir. O grande objetivo reside em «ajudar as famílias» bracarenses e a promoção de uma ocupação sadia do muito tempo que têm livre. Mas também «aproveitar este período de “quarentena” para mostrar a riqueza de Braga em muitos domínios, revelou ao Diário do Minho o presidente da Câmara Municipal, Ricardo Rio.

Em declarações ao DM, Ricardo Rio, garantiu que o Município de Braga vai colocar em marcha «um vasto conjunto de iniciativas de âmbito cultural, desportivo e de lazer, como aulas direcionadas para a atividade desportiva». A programação tem um fim claro. «O que queremos é contribuir para a saúde física e mental dos bracarenses», sublinha Rio.

A primeira iniciativa foi lançada hoje. Trata-se de uma proposta cultural que abre aos cidadãos uma viagem ao mundo do Arcebispo D. Diogo de Sousa, que esteve no governo de Braga entre 1505 e 1532. “Trilhos Dioguinos” é a obra que que pode ser consultada, em jeito de viagem cultural pelo património monumental de Braga, no link ‘https://www.facebook.com/municipiodebraga/photos/a.216931818338013/3184579144906584/?type=3&theater’.

O trabalho é da da autoria do jovem investigador Rui Ferreira e sugere um passeio “À descoberta de Braga, sem sair de casa”. A publicação, que sintetiza o trabalho de D. Diogo de Sousa para «fazer de uma aldeia uma cidade», revela com algum pormenor o trabalho urbanístico desenvolvido ao longo de décadas.
[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up