Fotografia: DR

E são 29 os municípios do Minho e da Galiza juntos pela “Via Marina”

Minho e Galiza.

Redação / NC
11 Mar 2020

O Alcaide da Cañiza, Luis Piña, presidiu ao 1º Encontro Transfronteiriço de Alcaides e Presidentes de Câmaras que integram o projeto “Via Mariana de Peregrinação Luso Galaica”, o qual une Braga com Muxía, passando pelos santuários marianos de 29 concelhos.

A Associação Via Mariana e os representantes municipais presentes na reunião acordaram ações comuns de ambos os lados da fronteira, em todos os âmbitos de atuação e divulgação conjunta mediante a criação de uma página de internet. Também acordaram iniciar o procedimento para propor ao Conselho de Europa a declaração de Itinerário Cultural Europeu.

Este foi um acontecimento histórico, pelo  carácter internacional, que decorreu no Concelho de Cañiza, em colaboração com a Associação Via Mariana que pretendeu analisar e debater ações conjuntas a desenvolver na rota e dar a conhecer aos mais de 70 promotores que dela fazem parte: instituições públicas e privadas, associações, comunidades e particulares.

A Via Mariana, composta de 17 etapas, começa em Braga e termina em Muxía.

A Via Mariana tem o seu Km 0 em Braga (Portugal) no Santuário do Sameiro, atravessa cinci concelhos portugueses e entra na Galiza por Arbo até chegar a Muxía, percorrendo estradas incríveis para chegar aos santuários.

Aboim da Nóbrega, Soajo, A Peneda, Melgaço até chegar ao Santuário da Franqueira. Depois da Franqueira a Via segue para Santiago de Covelo, Santa Maria de Estacas, Santa Maria de Augasantas, Santa Maria de Sacos, Os Milagres de Amil, Valga, Iria Flavia, Santiago de Compostela, Negueira, Baiñas e Muxía, onde termina.

Esta Via, com um percurso de 382 km, tem como principal objetivo criar sinergias para favorecer as zonas rurais mais desconhecidas, fixar população, melhorar a qualidade de vida dos habitantes e preservar a riqueza paisagística e patrimonial dos territórios.

Os alcaides e presidentes de Câmara dos 29 municípios que se reuniram em Cañiza para falar da Via Mariana, apontaram o grande potencial que a Via tem para lutar contra o despovoamento rural e para dinamizar e promover ações económicas revitalizadoras.

Os autores intelectuais da Rota, José de la Riera e Luis Martínez “do Freixo”, explicaram as singularidades do trajeto, começando pela sua génesis e o seu potencial para captar turismo de natureza. José de la Riera expôs as razões que deram origem à criação desta rota e o potencial que marca a diferença com outros caminhos de peregrinação. Para estes especialistas não há dúvida de que a Via Mariana tem uma projeção de futuro firme.

 





Notícias relacionadas


Scroll Up