Fotografia: DR

Forças de segurança identificaram 18 situações de racismo em 2019/2020

As forças de segurança identificaram na atual época desportiva 18 situações associadas a fenómenos de racismo nas várias divisões de futebol e em outras modalidades, revelou hoje o ministro da Administração Interna. «Só nesta temporada desportiva os dados atualizados apontam que as forças de segurança recensearam 18 situações identificadas associadas a fenómenos de racismo nas […]

Redação/Lusa
3 Mar 2020

As forças de segurança identificaram na atual época desportiva 18 situações associadas a fenómenos de racismo nas várias divisões de futebol e em outras modalidades, revelou hoje o ministro da Administração Interna.

«Só nesta temporada desportiva os dados atualizados apontam que as forças de segurança recensearam 18 situações identificadas associadas a fenómenos de racismo nas várias divisões de futebol, quer em outras modalidades», disse Eduardo Cabrita durante uma audição na Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, numa audição pedida pelo PCP.

Eduardo Cabrita frisou que todas as 18 situações associadas a fenómenos de racismo no desporto foram participadas pelas forças de segurança ao Ministério Público.

 

Como exemplo, o governante referiu que, no jogo entre o FC Porto e o Young Boys, registaram-se insultos a um jogador de raça negra da equipa suíça e a PSP atuou, abriu um processo, identificou o suspeito e o processo corre os seus termos.

«Não estamos só a falar dos níveis mais elevados. No jogo Cartaxo-União de Tomar, do campeonato distrital de Santarém, também houve insultos, o MP atuou e o processo corre os seus termos», precisou.

 

 

O ministro, durante a audição pedida pelo PCP após as recentes manifestações de racismo em recinto desportivo, nomeadamente os insultos racistas de que foi alvo o jogador Moussa Marega no jogo de futebol entre o Vitória de Guimarães e o FC Porto, deu também conta das auditorias de segurança que estão a ser feitas aos 18 estádios de futebol da I Liga.

«A auditoria de segurança significa identificar as zonas de acesso, identificar as características internas dos estádios, identificar as zonas em que por vezes são encontradas as tais tochas, que são diferentes dos petardos», disse, salientando que as tochas estão, «por vezes, já dentro dos estádios» de futebol.

Segundo Eduardo Cabrita, as auditorias, que estão a ser feitas pela PSP, GNR, Autoridade para a Prevenção e o Combate à Violência no Desporto e Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, já foram feitas nos estádios Nacional e do Bonfim e até ao final de março todos os campos de futebol da I Liga vão ser auditados.

 

<p align=”JUSTIFY”><span class=”credit_foto_editor_part2″>[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]</span></p>

 





Notícias relacionadas


Scroll Up