Fotografia: DM
Coronavírus, “A Casa de Papel” e problemas sociais marcaram o Carnaval das freguesias de Este

O desfile juntou a população das freguesias de S. Pedro e S: Mamede d’Este na tarde de hoje.

Rita Cunha
25 Fev 2020

A chuva não intimidou a população da União de Freguesias de Este que, ao início da tarde de ontem, saiu à rua para mais um desfile carnavalesco que, a par do convívio entre todos, teve como propósito alertar para problemas sociais e satirizar temas da atualidade. Ao todo, participaram cerca de duas centenas de foliões, quer a título individual quer integrados nos 13 carros inscritos.

O tema era livre e o coronavírus, assunto na ordem do dia, não foi esquecido. Houve quem optasse por uma “desinfeção” das artérias das freguesias de S. Pedro e S. Mamede d’Este, equipado a rigor, com máscaras, entre outro equipamento de proteção.

A série espanhola “A Casa de Papel” também serviu de inspiração a um outro grupo cujos elementos se tornaram irreconhecíveis com as máscaras de de Salvador Dalí e fatos vermelhos.

«Esta é uma forma de convívio e de unir a freguesia», referiu o presidente da União de Freguesias, Manuel Carvalho.

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up