Fotografia: DM
Hasta pública da Confiança termina sem compradores interessados

Alteração ao regulamento: as propostas para a nova hasta pública serão entregues em carta fechada.

Rita Cunha
14 Fev 2020

Terminou há instantes, sem compradores interessados, a hasta pública para a venda do edifício da fábrica Confiança, com um valor base de licitação a rondar os 3,6 milhões de euros. Apesar da presença de empresários, alguns dos quais da cidade de Braga, a sessão terminou sem qualquer licitação.

Foram, contudo, levantadas algumas questões antes do início, concretamente sobre a possibilidade de utilização do Pedido de Informação Prévia e sobre o prazo total de dois anos estipulado para a conclusão da obra.

No fim da hasta pública, a vereadora Olga Pereira explicou que, «a partir daqui, a Câmara Municipal vai ter que tomar uma decisão». «Primeiro, vai agora responder à providência cautelar, aguardar a resposta e tomar uma decisão definitiva sobre este assunto», referiu.

Entretanto, a autarquia anunciou uma nova data para a hasta pública – 11 de março -, com alterações no regulamento já que as propostas serão entregues, em carta fechada, até ao dia 10 de março e abertas, em sessão pública, no dia seguinte.

A sessão contou ainda com a presença de alguns elementos da Plataforma Salvar a Fábrica Confiança que se congratularam com o facto de não ter havido licitações. «Provavelmente a desistência tem a ver com a situação instável que há quanto à interpretação que a Câmara fez, abusiva, do PDM, ao permitir que se construa um edifício com função habitacional num terreno reservado para equipamentos», considerou Luís Tarroso.

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up