Espaço do Diário do Minho

Sou a favor da tarja

16 Jan 2020
João Gomes

O futebol é hoje um produto global. Apetecível. E ainda que sejam demasiado frequentes as notícias que vamos ouvindo deste ou daquele clube que faliu, ou de qualquer outro em sérias dificuldades financeiras, mostra-nos a evidência que os Organismos que o gerem (em Portugal e fora do nosso país) são entidades com uma tremenda saúde financeira.

O que nos deve dar que pensar. Afinal, quem interpreta e possibilita esse mesmo produto, para milhões de aficionados o verem, são os próprios clubes, não obstante a importância (edeterminante mérito) de quem o organiza e difunde.

Paredes meias, diria, no que ao contributo vs retorno diz respeito, porquanto um sem o outro não existiriam. Grandes clubes sem uma grande organização a promovê-los não seriam clubes de alcance mundial, e nem uma grande organização seria o que são hoje as organizações do futebol sem os grandes clubes que as servem.

É neste particular que os clubes devem ser ouvidos: na sua importância incontornável para que o fenómeno do futebol se transforme no produto ímpar e milionário em que se tornou nos últimos 20 anos.

Como ator principal de uma roda gigante, na qual qualquer engrenagem é preponderante, tem de ser inquirido e relevado. E é com esta inferência que introduzo o segundo ponto que considero indispensável a esta análise: o adepto. Entendo o adepto como a peça central de toda a lógica do futebol / desporto. É para ele que devemos direcionar o produto, por muito que atualmente os clubes sejam empresas, umas bem-sucedidas, outras nem tanto, como acontece no mundo dos negócios.

O adepto é o cliente dos clubes. É o consumidor-mor. É quem oleia toda a máquina promovida por quem gere as competições. Sem ele, que faríamos?

Interrogo-me sobre o que pensarão sobre esta temática personalidades tão fundamentais para o desenvolvimento do nosso futebol enquanto desporto para as famílias portuguesas, ele que serve tantas vezes de catalisador social. Que sirva de cabal exemplo a opinião e o sentimento dos adeptos do nosso benquisto clube.

Segundo eles, chega de jogos durante a semana, de jogos a horas impróprias, de calendários atrofiados e reféns dos interesses… dos outros.

O futebol são os clubes e quem por eles torce. Devemos olhar para as tarjas desta manifestação como um alerta, e como prova de que nem tudo está bem, de que há um caminho que devemos percorrer se queremos, aproveitando esta onda de desenvolvimento ímpar, redirecionar o nosso desporto aos seus apoiantes e à família.

Promovendo jogos em horários convidativos, sobretudo ao fim-de-semana, horários que permitam uma deslocação tranquila das pessoas, um convívio prazeroso antes e depois dos jogos, sem a constante pressão que é posta nos clubes, porque há sempre mais um jogo a realizar ou mais uma competição a promover.

É altura de deixar que mais uma prerrogativa económica se sobreponha à essência do desporto. E para que isso aconteça é essencial que haja nas direções dos clubes quem se oponha ao puro mercantilismo. Quem entenda que antes da televisão está o sócio e o adepto. Dirigentes preocupados na defesa daquele que não tem voz, ou não se faria ouvir através de tarjas silenciosas.

Precisamos de pessoas que respeitem os clubes, não sendo subservientes a nada nem a ninguém, atuando de forma independentes e focada na intransigente proteção do principal elo que faz o futebol acontecer: o adepto.

É nesse sentido que teremos de trabalhar.



Mais de João Gomes

João Gomes - 30 Jul 2020

Caiu o pano sobre a I Liga de futebol. Sobre aquela que foi, certamente, a época mais inusitada da história da competição. É agora tempo de balanços e análises, numa altura em que se começam a definir os próximos meses de competição. Entre a continuidade do FC Porto, e o regresso de Jorge Jesus ao […]

João Gomes - 23 Jul 2020

Tenho seguido com atenção os temas abordados na página do Facebook «O Escadote», criada por um grupo de sócios do SC Braga. Iniciativa que enalteço. Têm sido diversos os temas abordados, com extrema assertividade e pertinência. Gostaria de destacar dois: 1. «Dez à Braga», onde referem algumas figuras que marcaram a década de 90 do […]

João Gomes - 16 Jul 2020

É comum dizer-se que o dinheiro não garante felicidade. Também é verdade que não resolve tudo, embora contribua para que se encontrem soluções. No futebol, como em tantas outras áreas ou atividades, o dinheiro, por si só, não compra competência. A competência da estratégia e do planeamento são vetores que dependem essencialmente da qualidade dos […]


Scroll Up