Espaço do Diário do Minho

Semeador da esperança
16 Jan 2020
Damião Pereira

Passa hoje um ano sobre o falecimento do Sr. Cónego Fernando Monteiro, mas esta é apenas uma data. E digo apenas, porque para nós, colaboradores da Empresa do Diário do Minho, ele somente deixou de «ser visto» quando contornou «a curva da estrada». Busco na memória o poema de Fernando Pessoa e «se escuto, eu te oiço a passada / existir como eu existo». Por isso ele está presente.

Depois deste tempo, recordar o Cónego Fernando é também lembrar um homem que viveu sobretudo da e com a esperança de deixar o mundo melhor. Por isso se “aventurava” por caminhos muitas vezes sinuosos em busca de soluções para as instituições que dirigia e que, algumas delas, tinham e têm a seu cargo pessoas desfavorecidas.

«Irmãos, não queremos que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais como os outros que não têm esperança», pode ler-se na Bíblia, em 1 Tessalonicenses 4:13.

Sim, o Cónego Fernando – ou antes, o Padre Fernando – era um homem de esperança. Um semeador de esperança. E, como tal, tinha uma missão. Uma missão que – afirmava – não era só dele, mas que o “obrigava” a chamar outros para que o seguissem no comprometimento com o próximo e com a Igreja.

Dava assim, e como sempre, o seu contributo para o plano pastoral da Arquidiocese de Braga, querendo, tal como a Igreja que amava “(…) «ser o lugar da misericórdia gratuita, onde todos possam sentir-se acolhidos, amados, perdoados e animados a viverem segundo a vida boa do Evangelho»” (EG 114). (cf. Arquidiocese de Braga, Programa Pastoral 2018/2019, 26-27)».

E era neste caminho que entendia que o seu trabalho nas várias instituições ligadas à Igreja bracarense lhe dava forças para levar a cabo o seu múnus sacerdotal, sabendo que – cada uma a seu modo –, o «crescimento» de uma empresa, tal como o «de uma árvore precisa de tempo para criar raízes que lhe permitam sustentar o crescimento do tronco e dos ramos. Depois, mais tarde ou mais cedo», hão de começar «a despontar os primeiros frutos». E deste factor multiplicador podemos ser hoje, facilmente, testemunhas, observando o muito que cresceram as empresas que criou, dirigiu e orientou.

Na edição do Diário do Minho de 17 de janeiro de 2019, o Arcebispo Primaz, D. Jorge Ortiga, compartilhou com todos a vontade do Cónego Fernando em ser missionário. Tenho para mim que em tudo o que fez estava a resposta a este seu desejo.

Assim todos nós, colaboradores das várias instituições fertilizadas pelo Cónego Fernando Monteiro, saibamos honrar e preservar a memória de um homem que se colocava a si próprio, e sempre, em último lugar.

______________

Hoje, o Grupo Diário do Minho, a Oficina de S. José, a Paróquia de S. José de S. Lázaro, a Irmandade de S. Bento da Porta Aberta e a Família lembram o Cónego Fernando Monteiro com a celebração de missas de 1.º aniversário de falecimento: às 10h30, na Basílica de S. Bento da Porta Aberta – onde, às 11h00, é também apresentado um livro em sua homenagem; às 17h00, na Basílica dos Congregados; às 17h30, na Sé Catedral de Braga; e, às 18h30, na igreja paroquial de S. Lázaro.



Mais de Damião Pereira

Damião Pereira - 15 Abr 2018

É costume deixar-se os agradecimentos para o fim. Hoje, é com eles que começamos. Muito obrigado a todos quantos tornaram possível que chegássemos aos 99 anos. É muito tempo. Uma vida longa, repartida entre a boa e má notícia, entre o receio e o gesto encorajador… Todos, sem exceção, merecem ser lembrados. Uns pelo que […]

Damião Pereira - 10 Set 2017

Ontem, despedimo-nos do José Carlos Lima. A realidade começa agora a tomar conta de nós e as conversas tantas vezes tidas, os momentos de convívio, as gargalhadas sinceras, o seu sorriso nítido, os seus comentários, mas sobretudo o seu talento e disponibilidade vão ocupando a nossa memória.O Jornalista José Carlos Lima – que o Diário do Minho teve o privilégio de ter no seu quadro redatorial ao longo das duas últimas décadas – era o exemplo do que deve ser cada um de nós: um homem íntegro, isento, forte nas suas convicções, um profissional de “mão cheia”, que não sabia lidar com as injustiças e, por isso mesmo, convivia mal com o sofrimento dos outros, a quem tentava dar voz no sentido de reparar o que entendia não estar bem.Da verdade dos factos que contava, fazia valer sempre as suas palavras. Escrevia da forma como via as coisas e era disso que assumia as suas responsabilidades. O resto, a interpretação que cada um fazia dos seus textos – dizia – já não era com ele. Porque ninguém era obrigado a pensar como ele e se limitava a contar a “história” tal como ela era.Já o disse aqui. O Diário do Minho nunca mais será o mesmo sem o José Carlos Lima e o jornalismo também não. A perda é irreparável, porque não foi apenas um profissional da informação que nos deixou… com ele, a verdade e a sinceridade andavam de mãos dadas e caminhavam juntas pela vida.Nesta altura, em que é quase impossível lidar com a realidade, as palavras muitas vezes ditas tornam-se escassas perante tanta incredulidade. O que antes fazia sentido e se encaixava na perfeição é agora ocupado pelo caos que ocupa o nosso pensamento à procura de explicações.Ontem, quando repetimos o seu “até logo, companheiro!”, vimos no rosto de quem esteve presente o carinho que há de perpetuar-se no coração de cada um de nós, onde ocupa um lugar muito especial. Obrigado, José Carlos, por nos deixares ser teus amigos.E aqui, na Redação, onde o nosso olhar se estende pela frieza da sua secretária, agora vazia, e se prepara a edição de amanhã, o silêncio espalha-se em forma de gládio. O espaço físico até poderá vir a ser ocupado. O lugar do José Carlos Lima não!•••Agradecemos, em nome do Diário do Minho, as inúmeras mensagens de condolências recebidas. Não temos palavras para responder a tanta solidariedade demonstrada para com o nosso Jornalista e para com esta Instituição, que sempre teve no José Carlos Lima um dos seus melhores colaboradores.•••Na próxima quinta-feira, dia 14, às 12h00, na Basílica dos Congregados, em Braga, é celebrada uma eucaristia por intenção do nosso colega José Carlos Lima. Agradecemos, desde já, a todos quantos possam comparecer em mais esta sentida homenagem.

Damião Pereira - 8 Set 2017

Zé, bem sabes que não era esta a altura certa para te despedires de nós. Foram 20 anos de convívio diário que ia muito para além do trabalho. As tuas preocupações com tudo o que nos rodeava eram também as nossas, dos teus colegas de Redação, de todas as outras secções da empresa e deste Diário do Minho que não voltará ser o mesmo sem ti.É certo que o trabalho há de fazer-se com a mesma naturalidade com que tu o enfrentavas, que a agenda da Redação continuará com as “observações” do costume, que as dificuldades do dia a dia hão de sentir-se igualmente e que as tuas reivindicações voltarão a ouvir-se sem que tenham a resposta rápida que entendias ser necessária. Mas as coisas são como são e se é verdade que há dias menos bons, também é verdade que quando se nos fecha uma porta Deus tratará, sempre, de nos abrir uma janela.Neste momento, falta-nos em palavras o que nos sobra já em saudades. E mesmo com a “verborreia” que não apreciavas, não podemos esquecer os momentos de boa disposição que volta e meia nos oferecias, os comentários sublimes que dirigias a cada um de nós ou as críticas acintosas que fazias aos políticos e a algumas “figuras” da nossa urbe.São estes amigos, os que deixas no nosso Jornal – que tanto gostavas – e os que facilmente foste conquistando pela vida fora, no Seminário, na Universidade e na “concorrência”, que hoje sentem a mágoa de ter perdido alguém que lhes era muito querido. E nem imaginas a quantidade de amigos que tinhas…Zé, neste até logo, não podia deixar de lembrar-te todos os momentos em que, já depois do fecho do nosso DM, conversávamos, entre muitas coisas bastante pessoais, das dúvidas que tinhas em relação à profissão de jornalista. Disseste-me, várias vezes, que isso não era vida, que nos roubava muito tempo e saúde. Chegaste, até, a experimentar outras andanças. Mas ainda bem que não mudaste de ideias.Recordo-te, também, as conversas que tivemos sobre a fé inabalável que tinhas em Nossa Senhora e no conforto que sentias quando lhe rezavas. Acredito, por isso, que Ela te recebeu no seu regaço, com todo o carinho que um ser humano como tu merece.E do mesmo modo que te despedias dos teus amigos, também nós, hoje, nos despedimos de ti, sem pedir desculpa pelo uso indevido dos direitos de autor: «Até logo, companheiro!».


Scroll Up