Espaço do Diário do Minho

Semeador da esperança

16 Jan 2020
Damião Pereira

Passa hoje um ano sobre o falecimento do Sr. Cónego Fernando Monteiro, mas esta é apenas uma data. E digo apenas, porque para nós, colaboradores da Empresa do Diário do Minho, ele somente deixou de «ser visto» quando contornou «a curva da estrada». Busco na memória o poema de Fernando Pessoa e «se escuto, eu te oiço a passada / existir como eu existo». Por isso ele está presente.

Depois deste tempo, recordar o Cónego Fernando é também lembrar um homem que viveu sobretudo da e com a esperança de deixar o mundo melhor. Por isso se “aventurava” por caminhos muitas vezes sinuosos em busca de soluções para as instituições que dirigia e que, algumas delas, tinham e têm a seu cargo pessoas desfavorecidas.

«Irmãos, não queremos que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais como os outros que não têm esperança», pode ler-se na Bíblia, em 1 Tessalonicenses 4:13.

Sim, o Cónego Fernando – ou antes, o Padre Fernando – era um homem de esperança. Um semeador de esperança. E, como tal, tinha uma missão. Uma missão que – afirmava – não era só dele, mas que o “obrigava” a chamar outros para que o seguissem no comprometimento com o próximo e com a Igreja.

Dava assim, e como sempre, o seu contributo para o plano pastoral da Arquidiocese de Braga, querendo, tal como a Igreja que amava “(…) «ser o lugar da misericórdia gratuita, onde todos possam sentir-se acolhidos, amados, perdoados e animados a viverem segundo a vida boa do Evangelho»” (EG 114). (cf. Arquidiocese de Braga, Programa Pastoral 2018/2019, 26-27)».

E era neste caminho que entendia que o seu trabalho nas várias instituições ligadas à Igreja bracarense lhe dava forças para levar a cabo o seu múnus sacerdotal, sabendo que – cada uma a seu modo –, o «crescimento» de uma empresa, tal como o «de uma árvore precisa de tempo para criar raízes que lhe permitam sustentar o crescimento do tronco e dos ramos. Depois, mais tarde ou mais cedo», hão de começar «a despontar os primeiros frutos». E deste factor multiplicador podemos ser hoje, facilmente, testemunhas, observando o muito que cresceram as empresas que criou, dirigiu e orientou.

Na edição do Diário do Minho de 17 de janeiro de 2019, o Arcebispo Primaz, D. Jorge Ortiga, compartilhou com todos a vontade do Cónego Fernando em ser missionário. Tenho para mim que em tudo o que fez estava a resposta a este seu desejo.

Assim todos nós, colaboradores das várias instituições fertilizadas pelo Cónego Fernando Monteiro, saibamos honrar e preservar a memória de um homem que se colocava a si próprio, e sempre, em último lugar.

______________

Hoje, o Grupo Diário do Minho, a Oficina de S. José, a Paróquia de S. José de S. Lázaro, a Irmandade de S. Bento da Porta Aberta e a Família lembram o Cónego Fernando Monteiro com a celebração de missas de 1.º aniversário de falecimento: às 10h30, na Basílica de S. Bento da Porta Aberta – onde, às 11h00, é também apresentado um livro em sua homenagem; às 17h00, na Basílica dos Congregados; às 17h30, na Sé Catedral de Braga; e, às 18h30, na igreja paroquial de S. Lázaro.



Mais de Damião Pereira

Damião Pereira - 15 Abr 2020

O Diário do Minho faz hoje 101 anos. É uma idade bonita. E não fossem as medidas de constrangimento a que estamos sujeitos, estaríamos agora, todos juntos, a celebrar o aniversário do nosso jornal. Na certeza de que o futuro que temos pela frente há de ser duradouro. Assim o esperamos. É nisso que temos […]

Damião Pereira - 15 Abr 2018

É costume deixar-se os agradecimentos para o fim. Hoje, é com eles que começamos. Muito obrigado a todos quantos tornaram possível que chegássemos aos 99 anos. É muito tempo. Uma vida longa, repartida entre a boa e má notícia, entre o receio e o gesto encorajador… Todos, sem exceção, merecem ser lembrados. Uns pelo que […]

Damião Pereira - 10 Set 2017

Ontem, despedimo-nos do José Carlos Lima. A realidade começa agora a tomar conta de nós e as conversas tantas vezes tidas, os momentos de convívio, as gargalhadas sinceras, o seu sorriso nítido, os seus comentários, mas sobretudo o seu talento e disponibilidade vão ocupando a nossa memória.O Jornalista José Carlos Lima – que o Diário do Minho teve o privilégio de ter no seu quadro redatorial ao longo das duas últimas décadas – era o exemplo do que deve ser cada um de nós: um homem íntegro, isento, forte nas suas convicções, um profissional de “mão cheia”, que não sabia lidar com as injustiças e, por isso mesmo, convivia mal com o sofrimento dos outros, a quem tentava dar voz no sentido de reparar o que entendia não estar bem.Da verdade dos factos que contava, fazia valer sempre as suas palavras. Escrevia da forma como via as coisas e era disso que assumia as suas responsabilidades. O resto, a interpretação que cada um fazia dos seus textos – dizia – já não era com ele. Porque ninguém era obrigado a pensar como ele e se limitava a contar a “história” tal como ela era.Já o disse aqui. O Diário do Minho nunca mais será o mesmo sem o José Carlos Lima e o jornalismo também não. A perda é irreparável, porque não foi apenas um profissional da informação que nos deixou… com ele, a verdade e a sinceridade andavam de mãos dadas e caminhavam juntas pela vida.Nesta altura, em que é quase impossível lidar com a realidade, as palavras muitas vezes ditas tornam-se escassas perante tanta incredulidade. O que antes fazia sentido e se encaixava na perfeição é agora ocupado pelo caos que ocupa o nosso pensamento à procura de explicações.Ontem, quando repetimos o seu “até logo, companheiro!”, vimos no rosto de quem esteve presente o carinho que há de perpetuar-se no coração de cada um de nós, onde ocupa um lugar muito especial. Obrigado, José Carlos, por nos deixares ser teus amigos.E aqui, na Redação, onde o nosso olhar se estende pela frieza da sua secretária, agora vazia, e se prepara a edição de amanhã, o silêncio espalha-se em forma de gládio. O espaço físico até poderá vir a ser ocupado. O lugar do José Carlos Lima não!•••Agradecemos, em nome do Diário do Minho, as inúmeras mensagens de condolências recebidas. Não temos palavras para responder a tanta solidariedade demonstrada para com o nosso Jornalista e para com esta Instituição, que sempre teve no José Carlos Lima um dos seus melhores colaboradores.•••Na próxima quinta-feira, dia 14, às 12h00, na Basílica dos Congregados, em Braga, é celebrada uma eucaristia por intenção do nosso colega José Carlos Lima. Agradecemos, desde já, a todos quantos possam comparecer em mais esta sentida homenagem.


Scroll Up