Espaço do Diário do Minho

Mais de 35 milhões de euros/dia para comer fora de casa
13 Jan 2020
António Sílvio Couto

Os dados foram publicitados recentemente: em 2018, os portugueses gastaram 35,5 milhões de euros, por dia, a comer fora de casa. As contas totais, segundo as estatísticas da UE, perfizeram cerca de 13 mil milhões de euros que as famílias portuguesas gastaram a fazer refeições em restaurantes, cafés, cantinas e similares.

Atendendo à média europeia de sete por cento, os gastos dos portugueses colocam-nos em sexto lugar do índice com mais de nove por cento das despesas mensais das famílias.

Se compararmos os dados de vários países europeus: a Irlanda é quem mais gasta em comer fora com 14% do orçamento familiar, enquanto na escala dos que gastam menos nesta matéria encontramos a Roménia, a Polónia e a Lituânia, que ocupam os últimos lugares.

Se fizermos uma leitura comparada em dez anos – 2008 (início da ‘dita’ crise) a 2018 – sobre este facto de ‘comer fora de casa’ os dados revelam-nos que os portugueses subiram um ponto percentual – de 8,2 para 9,2 – tendo ainda em conta a descida do IVA na restauração de 23 para 13%, desde meados de 2016…

Estas contas dão para interpretar que estamos a viver melhor, indo com regularidade comer fora de casa? Será isto um indício de qualidade de vida ou uma extensão de algum novo-riquismo encapotado? O recurso à refeição fora pode ser revelador de bom ou de mau ambiente familiar? Estar exposto à refeição fora de casa ajuda a ser ou a parecer mais família?

Eis um pequeno excerto sobre este assunto do não-comer em casa, como família, do livro ‘Utopia’ de Tomás Moro (século XVI):

«Às horas fixadas para o almoço e para o jantar a sifogrância [termo que pode significar ‘comunidade’ no contexto da obra] inteira dirige-se ao seu refeitório, alertada por um clarim. Só não respondem à chamada aqueles que estiverem acamados nos hospitais ou em suas casas. Contudo, não é proibido a ninguém ir-se aprovisionar diretamente no mercado, depois de os refeitórios estarem abastecidos. Sabem que ninguém o fará sem razão. Com efeito, se bem que todos estejam autorizados a comer em suas casas, não o fazem de bom grado, porque isso é bastante mal visto. E acha-se absurdo ter o trabalho de preparar uma refeição pior do que aquela, excelente e abundante, que está à disposição de todos num refeitório próximo» (livro 2).

– Perante este texto com mais de quinhentos anos como que poderemos entender certas tentativas mais ou menos ‘coletivistas’ de sonegarem a importância do ambiente familiar, onde as refeições se deveriam tornar momentos de confraternização, de convivialidade e, sobretudo, de partilha em comunhão de vida, de história e em família…

– O incremento de tantos refeitórios em empresas dá-nos a impressão de parecer uma espécie de reminiscência à luz deste texto da ‘Utopia’, fazendo crer que as empresas/locais de trabalho se poderiam vir a tornar as substitutas da verdadeira família. Repare-se mesmo na avidez e no frenesi com que se fazem certos ‘jantares de natal’, nessa outra tentativa de reconverter o que na família possa acontecer, tornando tais façanhas algo de jocoso e de menos bom apreço, de espaço de substituição ou, sabe-se lá, se não seria ainda uma espécie de fazer humor contra a própria família.

– Efetivamente os ataques à família são mais do meramente ideológicos, mas, em pequenas coisas, fazem com que os gestos mais simples e marcantes da vida familiar tenham de ser vigiados sempre. Com efeito, o não-cozinhar em casa faz esmorecer a lareira, enquanto esta é fonte de irradiação do calor físico, psicológico, espiritual e moral. Veja-se como as casas se vão esfriando, enquanto os sentimentos se vão esboroando. Repare-se como o comer fora de casa se tem convertido num ato de mera ação de alimentação em vez de ser um espaço de enraizamento de todos na história comum e não meramente num sobreposição de indivíduos e não de pessoas…com afetos, sentimentos e laços de carinho.

– Não sei se é da idade ou se funciona como tentativa de fuga, mas cada vez menos me apetece ir a restaurantes, pois em casa podemos ser mais nós mesmos, conhecendo e dando-nos a conhecer… Até o paladar da comida é outro, quando cozinhada com tempo e em jeito de intimidade…para quem se cuida.

– A proliferação de tantos lugares de comer fora de casa não estará a matar a vida da família, ao menos no sentido cristão da mesma? Parafraseando um certo ditado, digo: família que se alimenta (come) unida, permanecerá unida!

Destaque

A proliferação de tantos lugares de comer fora de casa não estará a matar a vida da família, ao menos no sentido cristão da mesma? Parafraseando um certo ditado, digo: família que se alimenta (come) unida, permanecerá unida!



Mais de António Sílvio Couto

António Sílvio Couto - 24 Fev 2020

Uns tantos – políticos, jornaleiros (os que escrevinham ideologicamente nalguma comunicação social), comentadores, dirigentes associativos e/ou desportivos e quejandos) – andavam ansiosos porque fosse incendiado o rastilho do ‘racismo’. As manifestações de alguns adeptos – sócios ou não – num jogo de futebol, no domingo, dia 16 de fevereiro, em Guimarães, foi a pedra de […]

António Sílvio Couto - 17 Fev 2020

Há dias conversava com um padre africano e chegamos à triste conclusão que muitos dos nossos problemas, na Europa e por especial incidência em Portugal, são próprios e típicos de uma sociedade velha e envelhecida, podre embora pretensamente rica, vazia de valores à mistura com questões de quem se entretém com o secundário em vez […]

António Sílvio Couto - 10 Fev 2020

«A vida há de ser acolhida, tutelada, respeitada e servida desde o seu início até à morte: exigem-no simultaneamente tanto a razão como a fé em Deus, autor da vida». Ocorre, no próximo dia 11, o 28.º mundial do doente, sob o tema. ‘vinde a Mim, todos vós que andais cansados e oprimidos, que Eu […]


Scroll Up