Fotografia: DM

Presença da Igreja na política deve ser assegurada pelos fiéis

Câmara de Esposende atribuiu a mais alta condecoração municipal ao Arcebispo Primaz.

Joaquim Martins Fernandes
10 Jan 2020

O Arcebispo Primaz, D. Jorge Ortiga, disse ontem que a hierarquia da Igreja não se deve intrometer no mundo da política, mas defendeu que compete aos fiéis levar à política e à economia os valores humanistas do cristianismo. Em nome da construção de «uma sociedade mais justa e mais humana» e da «opção pelos mais pobres» e «pelos mais desfavorecidos».

Falando na sessão solene de condecoração que lhe foi atribuída pelo Município de Esposende, o Arcebispo de Braga e Primaz das Espanhas, D. Jorge Ortiga, deixou a mensagem que se a Igreja não deve meter-se no mundo da política, os fiéis não podem deixar de alicerçar todas as áreas da atividade humana com «os valores mais profundos» do humanismo cristão.

«Hoje, precisamos, efetivamente, que a Igreja não se intrometa nu mundo da política. Mas precisamos que se intrometam os fiéis e que se empenhem na resolução dos problemas que afetam todos os cidadãos», afirmou D. Jorge Ortiga, acrescentando que «é cada vez mais necessário que os fiéis se comprometam, sem vergonha, na resolução dos mais diversos problemas da sociedade».

É que «a mensagem de Jesus Cristo tem que chegar à política, à saúde, à educação, à justiça e à economia», acentuou o líder da Igreja bracarense, deixando claro que a mensagem cristã chega às diversas áreas da atividade humana «através dos homens e das mulheres que levam para todo o lado os valores cristãos».

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up