Espaço do Diário do Minho

Rádio Sim: assim, não!
9 Jan 2020
Carlos Aguiar Gomes

Nunca ganhei um cêntimo pelas centenas de programas por que fui responsável na Rádio SIM, emissores de Braga, “SER IGREJA”. Fi-los com muito gosto, muito sacrifício e por entender que, como cristão, teria e terei de estar ao serviço da Igreja e da comunidade. Foram muitos anos de presença com convidados ilustres e magníficos com os quais aprendi sempre muito. Quando o programa acabava, saía feliz e mais rico com o que tinha aprendido. E reconfortavam-me os inúmeros ouvintes que me abordavam para agradecer o meu serviço.

Soube pela comunicação social (Diário do Minho, 4.I.2020) que os estúdios encerravam e não haveria mais emissões. Se por um lado senti alívio, pois preparar semanalmente um programa de uma hora dá trabalho e canseira, por outro, senti que os dirigentes, de quem nunca recebi qualquer contacto, não tiveram o mínimo de gentileza de me terem avisado previamente do fim das emissões. Chama-se a isso GROSSERIA.

Vindo de onde vem, de responsáveis da Igreja Católica, é muito mais grave. Chama-se INGRATIDÃO. Mas os homens, mesmo os da Igreja, são o que são.

Mas não queria falar mais de mim. A minha vida não dependia da minha colaboração absolutamente gratuita, no programa radiofónico. Até ganhei, pois muitas vezes tive de pagar do meu bolso o estacionamento para fazer o programa e sempre usei o meu carro cuja gasolina eu pagava.

Outro colaborador gratuito e excelente, como eu não era, nem sou, creio que também não foi avisado do fim do programa e, também, não ouviu um simples: OBRIGADO. Refiro-me ao Padre Carlos Nuno Vaz.

Como se pode calcular, o programa precisava de técnicos, que eu não sou. Tinha o Fernando Fernandes, que era o meu braço direito, não só na técnica como nas conversas preparatórias que sempre tínhamos sobre as emissões semanais. Também a Glória Silva dava sempre a sua “mão”.

E para mim, as pessoas são o mais importante. Não são, assim o entendo, mera mercadoria que se recruta e despede como coisas. Não e não! Mesmo cumprindo estrictamente a lei, a que os empregadores são obrigados, há que olhar para cada funcionário como uma pessoa e pessoa com responsabilidades familiares e sociais. Sei que será cumprida a lei. Fria e anonimamente aplicada como carimbo com que se marcam os animais de abate.

Não se despedem os funcionários muitas vezes, mas, dão-lhes opções insultuosas, quando não se lhes dá transporte e os “convidam” a deslocações para locais distantes. Esquecem-se que há famílias e encargos por trás de cada trabalhador. Esquecem-se que estes trabalhadores não têm carro topo de gama com gasolina e portagens pagas! Não.

Como se pode falar de “MISERICÓRDIA” quando esta só sai da boca para ficar “bonito” e não brota do coração?

Como o leitor pode calcular, o fim dos Estúdios da Rádio SIM em Braga não me afecta rigorosamente nada. Aliviou-me de uma tarefa e eu já não sou uma criança! Lamento que se tenha perdido uma forma da Igreja estar presente no mundo da comunicação social.

À Arquidiocese de Braga e a Diocese de Viana do Castelo foi retirada uma oportunidade de estarem presentes na rádio.

Felicito o Senhor Arcebispo de Braga pela sua posição tornada pública, bem como o Cabido Primacial que se mostrou, igualmente, nada satisfeito com a decisão de se “descontinuar” (Ah! Os eufemismos!…) a Rádio Sim .

Pelo que li (cf DM supra) os euros pesaram mais. São opções que não me compete discutir. São opções, porém, que não me deixam indiferente, sobretudo, quando compagino aquelas com a Doutrina Social da Igreja, mesmo que toda a lei que regula as relações laborais em Portugal seja aplicada, a Igreja tem de aplicar a lei com o coração cheio de misericórdia e não a “seco”. Há pessoas cuja vida ficou em jogo. E isto é que deveria inquietar os decisores.

Agradeço à Glória e ao Fernando toda a amizade e apoio que há trinta e muitos anos me deram. Considero-os da minha família. Sofro com eles.

Egoisticamente escrevendo, deixem-me os leitores dizer, que me sinto aliviado por ter sido “corrido”, varrido como lixo. Que eu saiba aproveitar bem esta humilhação!



Mais de Carlos Aguiar Gomes

Carlos Aguiar Gomes - 26 Jun 2020

Tenho um grande desgosto de nunca ter estudado música. No Liceu, tive dois anos de Canto Coral, com um grande Mestre mas pouco pedagógico. Nada aprendi. Gosto imenso de Música (intencionalmente escrevo com inicial maiúscula) e todos os dias oiço muita. E em viagem, nunca me esqueço de escutar boa Música. Não gosto de toda […]

Carlos Aguiar Gomes - 18 Jun 2020

Todos conhecemos este diálogo entre o Duque de La Rochefoucauld-Liancourt e o Rei de França, o mártir, Luís XVI. Este, quando a 15 de Julho de 1789 foi informado que na véspera tinha sido invadida a Bastilha e de lá tirados os poucos malfeitores presos, entre eles um célebre marquês de Sade, perguntou ao duque […]

Carlos Aguiar Gomes - 15 Jun 2020

Quero começar por afirmar que sempre combati a ideia de raça, um conceito que é, acima de tudo, ideológico (dos extremos). Não admito, nem nunca admiti que haja Homens superiores e Homens inferiores. Há Homens diferentes e é essa diferença que enriquece a espécie humana, Homo sapiens, a única espécie humana. Diferentes na inteligência, nas […]


Scroll Up