Fotografia:

Comité Económico e Social Europeu preocupado com ataques aos direitos fundamentais

Jornalista assassinada foi homenageada em sessão plenária.

8 Jan 2020

Foi com um minuto de silêncio que o plenário do Comité Económico e Social Europeu (CESE) homenageou a jornalista maltesa Daphne Caruana Galizia, que foi assassinada, em outubro de 2017, quando investigava casos de corrupção envolvendo o Governo do mais pequeno país da União Europeia.

Na sala estava o filho da jornalista assassinada, Andrew Caruana Galizia, e 30 jornalistas de 22 estados-membros, entre os quais o Diário do Minho, que acompanharam a sessão plenária a convite do CESE.

O gesto simbólico, que teve lugar durante a sessão plenária de dezembro, traduziu a preocupação deste organismo representativo da sociedade civil com os ataques ao Estado de Direito e aos direitos fundamentais dos cidadãos da União Europeia.

O presidente daquele órgão consultivo, Luca Jahier, sublinhou a importância do jornalismo livre para as sociedades democráticas.

«A liberdade de imprensa está no centro dos valores que prezamos. Se os jornalistas são silenciados, o mesmo acontece com a democracia. A paz e a estabilidade da Europa dependem da democracia, do Estado de Direito e do exército de jornalistas que todos os dias defende as nossas liberdades fundamentais», declarou.





Notícias relacionadas


Scroll Up