Espaço do Diário do Minho

O «telemóvel» e a «faca»!

7 Jan 2020
João António Pinheiro Teixeira

Além dos seus «ídolos», cada época parece erigir os seus «ícones».

Tenho dado comigo a pensar que dois dos maiores «ícones» destes tempos sem tempo são o «telemóvel» e a «faca».

Materialmente, trata-se de dois artefactos preciosos – e de dois instrumentos indispensáveis – do quotidiano.

Estão a converter-se, porém, em dois veículos perigosos – quiçá, macabros – que chegam a infirmar a finalidade inicial para que foram criados.

O «telemóvel» nasceu para facilitar a comunicação. E é verdade que ele facilita a comunicação com quem está longe. Só que, no limite, está a dissolver a comunicação com quem está perto.

E que dizer da «faca»? A sua principal utilização é na culinária. Habituámo-nos a usá-la para descascar, fatiar e aprumar frutos e outros ingredientes que entram na nossa alimentação.

Mas eis que ultimamente – e de uma forma cada vez mais arrepiante – a «faca» está a ter uma utilização tenebrosa, sinistra, cruel.

Há quem recorra à «faca» para agredir, para ferir e para matar.

Este recurso mórbido à «faca» tem lugar reservado – a uma cadência diária – nas páginas dos jornais, nos «prime-times» televisivos e nas incontáveis redes sociais.

Maridos degolam esposas à «facada», filhos transtornados matam pais à «facada», pessoas que resistem a assaltos são assassinadas à «facada».

Há contornos de malvadez que nos deixam lívidos de espanto e a estremecer de dor.

Que podemos sentir quando vemos uma mãe trucidada com golpes de «faca» à frente dos próprios filhos?

O mais grave é que esta sequência ocorre, frequentemente, em casa. Como chegamos a esta insuportável «guerra doméstica»?

O problema é que a família deixou – há muito – de viver como família.

O Santo Padre tocou na ferida em finais do no ano passado.

 Adverte Francisco que os membros da família «não comunicam entre si». Até à mesa, cada um está munido com o seu telemóvel, falando com quem está longe, mas «desconectado» de quem está ao seu lado.

O Papa interpela-nos muito agudamente: «Tu, na tua família, sabes comunicar ou és como aqueles que estão à mesa com o telemóvel»?

Para a mesa, levemos não apenas apetite nem tão-pouco o pensamento nos que estão no outro lado. Levemos o olhar, levemos a ternura, levemos a atenção, levemos o cuidado.

Afinal, não é só nas «redes» que há gente. As pessoas que estão ao nosso lado – e à nossa frente – também merecem o melhor de nós.

Definitivamente, o lugar do telemóvel não é à mesa. E usemos bem as facas: na mesa e fora da mesa. Para agredir e matar, nunca mais!



Mais de João António Pinheiro Teixeira

João António Pinheiro Teixeira - 22 Set 2020

Não há como negar. À semelhança do que acontece com tudo o resto, também a Igreja está a passar por uma reconfiguração. O novo coronavírus não altera – obviamente – a sua identidade. Mas é um facto que está a interferir bastante com a sua moldura expressiva. A Igreja nunca deixará de ser o que […]

João António Pinheiro Teixeira - 15 Set 2020

A Igreja é portadora de um único desígnio: «cristificar» o mundo. Para isso, ela tem de se «desegoízar», de se descentrar constantemente de si para se recentrar permanentemente em Cristo. Jesus Cristo é o maior transformador da vida. É a partir d’Ele que a vida do mundo continuará a mudar. Nenhum cristão aceitará viver de […]

João António Pinheiro Teixeira - 8 Set 2020

Em Setembro, Lamego costuma ser um mar. Não um mar de água, mas um mar de luz, um mar de emoção, um mar de Mãe. São muitos os que vêm ao encontro da Mãe. São tantos, aqueles com quem a Mãe – perdidamente! – Se reencontra. 2. A cidade como que estremece de comoção para […]


Scroll Up