Espaço do Diário do Minho

Consumar e não (apenas) consumir

24 Dez 2019
João António Pinheiro Teixeira

Consumir é uma necessidade e também um benefício. Não vivemos sem consumir. E a economia não sobrevive sem que os cidadãos consumam.

O consumo faz circular bens e serviços, essenciais para a subsistência das pessoas e para a prosperidade dos povos.

O problema é quando o consumo é erigido em prioridade, convertendo-se numa obstinação e – nalguns casos – numa neurose.

Sobretudo em épocas como esta, há quem não se controle. Há quem se endivide desmesuradamente. E não falta até quem «rebente» orçamentos futuros com o afã de desfrutar o máximo no presente.

Enfim, mais um indicador de como a moderação parece estar a fugir das nossas mãos.

Tornámo-nos seres excessivos, incapazes de nos conter na sofreguidão de tudo ter.

Acresce que nem sequer mostramos capacidade de esperar. Qualquer coisa que a mente nos venha lembrar, o impulso é logo para a comprar.

E é assim que «encharcamos» as pessoas de coisas. Já que não temos tempo para lhes dar, pelo menos prendas não lhes hão-de faltar.

Conseguimos, deste modo, arrancar efémeros sorrisos aos destinatários. Só que depressa regressam as lágrimas em corações vários.

Acrescem os contrastes destas alturas. É tanto o que se consome e são tantos os que morrem de fome!

Chegados à véspera do Natal, para muitos é apenas hora de consumir. Melhor seria que esta fosse sobretudo a hora de consumar.

Esta devia ser a hora de consumar a preparação para a vivência do mistério da Encarnação. Há coisa mais bela neste mundo do que olhar para um mistério tão profundo?

É tão comovente sentir Deus à nossa frente. E como ao contentamento não dar voz por O termos no meio de nós?

Reunamos a família, abracemos os amigos, toquemos a repique os «sinos digitais». E falemos de Jesus que — depois de vir — não nos deixou mais.

Inundemos de alegria a noite fria. Mas será uma noite santa, se aquecida pela Eucaristia.

A Missa da Noite dá um encanto especial à celebração do Natal.

Que a paz do Menino que vamos beijar remova todos os ódios que possamos alojar.

Como recorda o Papa Francisco, o presépio é um «admirável sinal» que não se esgota no Natal.

Que, ao longo da nossa vida, não esqueçamos a lição deste «Evangelho vivo».

E que aprendamos com aquela demasia de ternura — e simplicidade — a semear paz em toda a humanidade!



Mais de João António Pinheiro Teixeira

João António Pinheiro Teixeira - 22 Set 2020

Não há como negar. À semelhança do que acontece com tudo o resto, também a Igreja está a passar por uma reconfiguração. O novo coronavírus não altera – obviamente – a sua identidade. Mas é um facto que está a interferir bastante com a sua moldura expressiva. A Igreja nunca deixará de ser o que […]

João António Pinheiro Teixeira - 15 Set 2020

A Igreja é portadora de um único desígnio: «cristificar» o mundo. Para isso, ela tem de se «desegoízar», de se descentrar constantemente de si para se recentrar permanentemente em Cristo. Jesus Cristo é o maior transformador da vida. É a partir d’Ele que a vida do mundo continuará a mudar. Nenhum cristão aceitará viver de […]

João António Pinheiro Teixeira - 8 Set 2020

Em Setembro, Lamego costuma ser um mar. Não um mar de água, mas um mar de luz, um mar de emoção, um mar de Mãe. São muitos os que vêm ao encontro da Mãe. São tantos, aqueles com quem a Mãe – perdidamente! – Se reencontra. 2. A cidade como que estremece de comoção para […]


Scroll Up