Espaço do Diário do Minho

Consumar e não (apenas) consumir
24 Dez 2019
João António Pinheiro Teixeira

Consumir é uma necessidade e também um benefício. Não vivemos sem consumir. E a economia não sobrevive sem que os cidadãos consumam.

O consumo faz circular bens e serviços, essenciais para a subsistência das pessoas e para a prosperidade dos povos.

O problema é quando o consumo é erigido em prioridade, convertendo-se numa obstinação e – nalguns casos – numa neurose.

Sobretudo em épocas como esta, há quem não se controle. Há quem se endivide desmesuradamente. E não falta até quem «rebente» orçamentos futuros com o afã de desfrutar o máximo no presente.

Enfim, mais um indicador de como a moderação parece estar a fugir das nossas mãos.

Tornámo-nos seres excessivos, incapazes de nos conter na sofreguidão de tudo ter.

Acresce que nem sequer mostramos capacidade de esperar. Qualquer coisa que a mente nos venha lembrar, o impulso é logo para a comprar.

E é assim que «encharcamos» as pessoas de coisas. Já que não temos tempo para lhes dar, pelo menos prendas não lhes hão-de faltar.

Conseguimos, deste modo, arrancar efémeros sorrisos aos destinatários. Só que depressa regressam as lágrimas em corações vários.

Acrescem os contrastes destas alturas. É tanto o que se consome e são tantos os que morrem de fome!

Chegados à véspera do Natal, para muitos é apenas hora de consumir. Melhor seria que esta fosse sobretudo a hora de consumar.

Esta devia ser a hora de consumar a preparação para a vivência do mistério da Encarnação. Há coisa mais bela neste mundo do que olhar para um mistério tão profundo?

É tão comovente sentir Deus à nossa frente. E como ao contentamento não dar voz por O termos no meio de nós?

Reunamos a família, abracemos os amigos, toquemos a repique os «sinos digitais». E falemos de Jesus que — depois de vir — não nos deixou mais.

Inundemos de alegria a noite fria. Mas será uma noite santa, se aquecida pela Eucaristia.

A Missa da Noite dá um encanto especial à celebração do Natal.

Que a paz do Menino que vamos beijar remova todos os ódios que possamos alojar.

Como recorda o Papa Francisco, o presépio é um «admirável sinal» que não se esgota no Natal.

Que, ao longo da nossa vida, não esqueçamos a lição deste «Evangelho vivo».

E que aprendamos com aquela demasia de ternura — e simplicidade — a semear paz em toda a humanidade!



Mais de João António Pinheiro Teixeira

João António Pinheiro Teixeira - 18 Fev 2020

É grande o risco de acidente quando se conduz ao contrário. Não estaremos nós a correr esse risco? Em vez de valorizar a vida, andamos a banalizar a morte. Em vez de (procurar) viver a morte, vamo-nos limitando a matar a vida. Daí que, em vez de nos preocuparmos com a qualidade de vida, optemos […]

João António Pinheiro Teixeira - 4 Fev 2020

Talvez sem nos apercebermos, fomo-nos tornando mais autómatos que autónomos. É um facto que passamos o tempo a exaltar a autonomia. Mas, no fundo, também gastamos a vida a praticar uma estranha – embora raramente assumida – automatia. Se repararmos, são muitas as palavras que repetimos mecanicamente. E são inúmeros os gestos que realizamos sem […]

João António Pinheiro Teixeira - 28 Jan 2020

Entende-se que nem todas as ocorrências possam ser noticiadas. Mas é difícil perceber que alguns acontecimentos sejam repetidamente omitidos. No que respeita aos conflitos, se não é possível referir todos, que, pelo menos, não se silenciem sempre os mesmos. É que, por vezes, prevalece a impressão de que, a par de tantas «guerras lembradas», parece haver […]


Scroll Up