Espaço do Diário do Minho

Refletindo

17 Dez 2019
Fernando Mendes

O Papa Francisco tem tido uma participação pedagógica constante nas suas comunicações, o que me leva a uma reflexão sobre os dias presentes.

Estamos a viver momentos controversos em que se fomenta a incompreensão, a repressão, a intriga, em detrimento do humanismo e respeito pelo semelhante. Vivem-se momentos em que predominam as guerras, os morticínios, a injustiça, e desprezo e a mentira em vários sectores da sociedade.

Praticam-se altíssimos vencimentos em algumas classes profissionais enquanto uma grande maioria vive com ordenados e reformas de miséria, que levam a uma pobreza constante e permanente de uma parte dos nossos cidadãos. Esta tem sido uma permanente preocupação, visando a correção que importa por parte do presidente da República e dos governantes.

Na prática, aumenta a falsificação, a mentira, a falta de respeito e princípios por parte de “supostos democratas” que insultam, velados, aqueles que tem livremente uma opinião diferente da sua.

Estas incongruências – e até ilegalidades – passam-se também no futebol, onde se pagam fortunas pela “venda” de jogadores, que fazem lembrar tempos remotos em que se vendiam seres humanos como escravos.

Em algumas empresas e entidades públicas reina a intriga, a inveja entre colegas e chefias que fomentam uma forma de bullying psicológico que leva a um mal-estar e descontentamento agravado para o exercício das suas funções. Casos há em que alguns desses trabalhadores possuem mais e melhores qualificações que as suas chefias.

Há os que se escondem cobardemente no anonimato, com “segundas intenções”, para fomentar a insatisfação e a revolta dos que se “deixam enganar”, certamente esperando alguns proventos mediáticos.

Estes são algumas reflexões sobre os momentos que vamos vivendo, uma triste realidade dos nossos dias.



Mais de Fernando Mendes


Scroll Up