Espaço do Diário do Minho

Automedicação segura no inverno

13 Dez 2019
Ana Rita Rolim

No inverno são frequentes as doenças respiratórias, como gripes, constipações e o agravamento de patologias crónicas como a rinite, asma ou sinusite entre outras.

A gripe é, geralmente, uma doença de curta duração (3 a 4 dias) cuja prevenção passa pela vacinação anual.  Os sintomas mais frequentes incluem febre, habitualmente elevada, dores musculares, de cabeça e mal-estar geral. A constipação, por outro lado, é uma doença infeciosa das vias respiratórias superiores, autolimitada a um período de 2 a 3 dias, cujos sintomas mais comuns são a congestão, corrimento nasal e a dor de garganta. Só no caso de febre alta, maior debilidade ou queixas respiratórias deverá recorrer a cuidados de saúde diferenciados. A gripe e a constipação são facilmente confundidas porque, na maioria das vezes, os principais sintomas são semelhantes.  A febre, tosse, nariz obstruído e dores de garganta incomodam e levam a que, frequentemente, se faça um autodiagnóstico. 

A automedicação é definida como o uso de medicamentos por parte do utente, para tratar doenças ou sintomas por si diagnosticados, com a assistência ou aconselhamento opcional de um profissional de saúde. Contudo, a prática de automedicação tem de ser limitada a situações clínicas bem definidas. A Organização Mundial de Saúde alerta para os perigos decorrentes da toma de medicamentos de forma não vigiada, um autodiagnóstico incorreto poderá conduzir à escolha de um tratamento desadequado e a um possível agravamento da condição clínica. A este facto acrescenta-se a possibilidade de ocorrência de reações alérgicas, efeitos secundários e possíveis interações medicamentosas com a medicação habitual. Para uma automedicação responsável e com segurança deve ler com atenção o folheto informativo antes de utilizar qualquer medicamento. Deve também verificar se o medicamento não provoca interações com outros medicamentos que esteja atualmente a tomar e, principalmente, informar-se com o seu farmacêutico antes de comprar um medicamento que não exija receita médica. Na presença de doenças crónicas o médico deve ser consultado antes de se automedicar, mesmo que o sintoma seja só uma dor de cabeça.

Apesar de muitas doenças típicas do inverno poderem causar sintomas idênticos, nem todas requerem forçosamente o mesmo tratamento. Caso lhe tenham receitado um antibiótico para uma condição anterior é tentador utilizar o mesmo antibiótico se tiver sintomas semelhantes. Contudo, apenas um médico pode determinar com total certeza se necessita de tratamento com antibióticos. Nunca tente comprar antibióticos sem receita médica, nem guardar antibióticos para usar posteriormente.

Os antibióticos não atuam como analgésicos (medicamentos para as dores) e não proporcionam o alívio das dores de cabeça, das dores musculares ou da febre. Os antibióticos são eficazes apenas contra as infeções bacterianas e, como tal, não o ajudam em infeções causadas por vírus, como a constipação comum ou a gripe.

Opte, sempre que possível, por alternativas que não envolvam a toma de medicamentos. Adote alguns cuidados como repousar, de forma a ajudar o sistema imunitário (responsável pela defesa do nosso organismo) a combater a infeção e beber muitos líquidos, como água, sumos naturais e sopas quentes para ajudar a prevenir a desidratação. É também importante alimentar-se corretamente: uma alimentação equilibrada, rica em frutas e vegetais é essencial para a sua saúde. Não menos importante será lavar frequentemente as mãos e promover uma boa educação respiratória: tapar sempre a boca, com um lenço ou o antebraço, ao tossir ou espirrar, para evitar a contaminação de quem o rodeia.



Mais de Ana Rita Rolim


Scroll Up