Espaço do Diário do Minho

Novas Regras de Faturação: o que muda em 2020?
3 Dez 2019
António Filipe Cruz

O Decreto-Lei n.º 28/2019, de 15 de fevereiro veio regulamentar as obrigações relativas ao processamento de faturas e outros documentos fiscalmente relevantes, obrigações de conservação de livros, registos e respetivos documentos de suporte à faturação.

Desde a sua publicação, este diploma não tem conseguido uma “vida” fácil, na medida em que suscitou e suscita muitas dúvidas e incertezas, culminando com diversas prorrogações de prazos.

Consultando o portal da Autoridade Tributária e Aduaneira podemos ter acesso à legislação e aos despachos, entretanto produzidos sobre esta matéria e, dessa consulta, podemos tentar encontrar um cronograma para a entrada em vigor das novas regras.

Assim, já é possível em 2019:

  • Optar pela dispensa de impressão da fatura em papel;

  • Efetuar o arquivo eletrónico de documentos em papel, digitalizando-os.

A partir de 1 de janeiro de 2020, passa a ser obrigatório:

  • A comunicação dos elementos das faturas até ao dia 12 do mês seguinte, para as faturas emitidas a partir de 1 de janeiro de 2020;

  • A utilização de programas informáticos certificados – em regra – para os sujeitos passivos que obedecam às seguintes condições: a) Tenham obtido, no ano civil anterior, um volume de negócios superior a € 50 000 ou, quando, no exercício em que se inicia a atividade, o período em referência seja inferior ao ano civil, e o volume de negócios anualizado relativo a esse período seja superior àquele montante; b) Utilizem programas informáticos de faturação; c) Sejam obrigados a dispor de contabilidade organizada ou por ela tenham optado;

  • O cumprimento dos requisitos gerais dos programas de faturação e contabilidade previstos no art.º 11º do DL 28/2019, de 15/02;

  • As alterações à dispensa de emissão de faturas, nomeadamente, para as pessoas coletivas de direito público, organismos sem finalidade lucrativa e instituições particulares de solidariedade social que pratiquem exclusivamente operações isentas de imposto e que tenham obtido para efeitos de IRC, no período de tributação imediatamente anterior, um montante anual ilíquido de rendimentos não superior a € 200 000, para os sujeitos passivos que pratiquem exclusivamente operações isentas de imposto, exceto quando estas operações conferem direito à dedução e para os sujeitos passivos com sede, estabelecimento estável ou domicílio em território nacional.

Até ao dia 31 de janeiro de 2020 é obrigatório efetuar:

  • A comunicação de inventários valorizados para o período de tributação de 2019.

Até ao dia 30 de junho de 2020 é obrigatório:

  • Efetuar a comunicação dos estabelecimentos e dos sistemas de faturação;

A partir de 1 de janeiro de 2021 passa a ser obrigatório:

  • A introdução do QR Code e ATCUD nas faturas;

  • A utilização de assinatura eletrónica qualificada e de selo eletrónico qualificado em faturação por via eletrónica.

A terminar ressalvo que as informações presentes neste artigo resultam da análise da legislação e diversa documentação produzida e disponível no portal da internet da Autoridade Tributária e Aduaneira que deve ser consultada e validada antes de implementada.



Mais de António Filipe Cruz

António Filipe Cruz - 13 Mai 2020

Em tempos de pandemia, não se pode esquecer as medidas de salvaguarda de dados pessoais. Têm sido inúmeras as advertências da Comissão Nacional de Proteção de Dados para falhas no tratamento de dados pessoais. Nesta medida, urge realizar um trabalho firme e preciso, para que possamos acorrer às necessidades atuais, sem deixar cair as precauções […]

António Filipe Cruz - 18 Abr 2020

No primeiro artigo sobre o processo de implementação do RGPD abordamos a necessidade de sensibilizar toda a organização para a importância deste processo e, abordamos também, a importância da recolha de dados e o rigor a incutir para que o resultado final possa conduzir ao maior grau possível de conformidade com o RGPD. Neste segundo […]

António Filipe Cruz - 16 Abr 2020

No primeiro artigo sobre o processo de implementação do RGPD abordamos a necessidade de sensibilizar toda a organização para a importância deste processo e, abordamos também, a importância da recolha de dados e o rigor a incutir para que o resultado final possa conduzir ao maior grau possível de conformidade com o RGPD. Neste segundo […]


Scroll Up