Espaço do Diário do Minho

Descentralizar… o quê?

30 Nov 2019
M. Moura Pacheco

Decidiu o Governo que temos, iniciar a tão desejada e discutida descentralização, espalhando pelo país três Secretarias de Estado (curiosamente fazendo coincidir as novas sedes com a zona de residência dos respectivos titulares).

A ideia não é nova. Já o breve Governo de Santana Lopes a ensaiara, embora de forma mais generosa no que toca ao número de Secretarias a espalhar. O que é novo é a «conversão» do Partido Socialista a este modelo de descentralização, com cujo ridículo tanto gozou e cuja vacuidade tanto zurziu no consulado santanista.

Ora, com tão bizarras medidas pretende-se (e pretendia-se) descentralizar… o quê? Descentralizar geograficamente os centros de decisão do Poder central que, assim, centralizado continua a estar? Porque, nesse caso, o Poder continua central, só que sediado em Bragança, Castelo Branco ou Guarda e não em Lisboa. Não é a localização da sede do Poder que determina, ou não, a sua descentralização, mas sim a sua repartição por outros órgãos estatais.

Por isso, a solução santanista agora socialistamente recuperada, não só não descentraliza, como tem efeitos perversos se não mesmo contrários. Todo o quadro de funcionários, todo o aparelho administrativo permanece em Lisboa – nem é legalmente possível (nem justo) forçar a sua deslocação para outras paragens. O que se desloca é apenas o gabinete do Secretário de Estado – com todas as vantagens que isso possa ter para o titular e todos os custos resultantes para o erário público. Ou seja: as Secretarias de Estado da Acção Social; da Conservação da Natureza, das Florestas e do Ordenamento do Território; e a da Valorização do Interior – passam a ser teledirigidas a partir, respectivamente, da Guarda, de Castelo Branco e de Bragança. O que, fatalmente, tornará a burocracia mais complexa e a máquina administrativa mais pesada, mais cara e… ainda mais lenta.

Descentralizar, descentralizar a sério e com recta intenção, significa repartir o poder do Poder Central. Significa abdicar de poderes para os atribuir ao Poder Local. Significa entregar às Autarquias capacidades, competências e VERBAS durante séculos centralizadas pelo Governo, esteja este onde estiver – em Lisboa ou noutro sítio qualquer. Não é a localização que descentraliza o Poder mas, apenas e só, a sua repartição.

Dar o poder de decisão a quem está perto dos problemas, a quem os conhece e vive e, ao mesmo tempo, dando-lhe a consequente capacidade financeira – isso sim, é descentralizar. É honrar as nossas tradições municipalistas (há tanto tempo perdidas) dando às Câmaras Municipais (e às Juntas de Freguesia) o lugar que já tiveram e, de justiça, lhes compete na organização do Estado.

Com mais ou menos cambiantes, «descentralizar» é isto. O que fique além ou aquém são fogos fátuos para inglês ver. Ou, mais rasteiramente: para enganar papalvos.

Nota: por decisão do autor, este texto não obedece ao impropriamente chamado acordo ortográfico.



Mais de M. Moura Pacheco

M. Moura Pacheco - 8 Set 2020

1 – Escrevo no primeiro dia da chamada «Festa do Avante». Não sei, por isso, o que daí vai sair. Pode não sair nada. De bom, se sair alguma coisa, será, e só, a alegria de uma grande confraternização. De mau, pode sair muita coisa e muito má. 2 – Deveria bastar esta última hipótese […]

M. Moura Pacheco - 29 Ago 2020

O problema é velho e com tantas soluções que, no final das contas, o tornam insolúvel: a forma condiciona o conteúdo ou o conteúdo condiciona a forma? Exemplifiquemos. Se eu, indiscreta e incivilizadamente, colar o ouvido a uma porta fechada para ouvir a conversa que, para lá dela, se passa entre duas pessoas – é […]

M. Moura Pacheco - 9 Ago 2020

No meu tempo, quando se começava a aprender Francês, logo no primeiro ano do liceu, todos tínhamos a tendência de traduzir «mettre» por «meter». E logo o professor corrigia, com benevolência a princípio, mas com irritação nos anos seguintes, que a tradução correcta de «mettre» é, em português, «pôr». Mas, ao longo dos cinco anos […]


Scroll Up