Espaço do Diário do Minho

Consumidores portugueses encontram-se mais protegidos
16 Nov 2019
Fernando Viana

Com a adesão de Portugal à então Comunidade Económica Europeia (hoje, União Europeia), a população portuguesa ganhou o acesso a um mercado de bens e serviços de grande dimensão e muito organizado. Foi o “mergulhar de cabeça” na sociedade de consumo.

A sociedade de consumo é obviamente fonte de inúmeras vantagens e benefícios para os consumidores e para as empresas, mas também comporta riscos e problemas que é necessário saber enfrentar.

Os consumidores necessitam de proteção, o que é disponibilizado através de diversos mecanismos, leis e instituições, a que poderá recorrer sempre que necessário.

Embora no momento da adesão a CEE já tivesse uma história de quase trinta anos e Portugal fosse um país económica e socialmente atrasado, o país evoluiu imenso em diversas áreas e, no que à proteção dos consumidores diz respeito somos atualmente um dos países mais avançados a nível mundial.

O Sistema Nacional de Defesa do Consumidor (SNDC) é complexo e comporta muitas entidades. De uma forma sumária, este SNDC agrega:

  1. Ao nível da Administração Central, a Direção-Geral do Consumidor, a qual tem por missão contribuir para a elaboração, definição e execução da política de defesa do consumidor com o objetivo de assegurar um elevado nível de proteção;

  2. Ao nível da regulação e fiscalização do mercado de bens e serviços, um grande conjunto de entidades reguladoras e fiscalizadoras, como sejam a ASAE (Autoridade de Segurança Económica e Alimentar), o INFARMED (Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, IP), a ANACOM (Autoridade Nacional de Comunicações), ERSAR (Entidade Reguladora do Serviço de Águas e Resíduos) e ERSE (Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos), o Banco de Portugal, a ANAC (Autoridade Nacional de Aviação Civil);

  3. Ao nível da resolução de conflitos entre os consumidores e as empresas, um complexo sistema abrangendo desde logo a disponibilização do Livro de Reclamações (hoje em dia físico e eletrónico), bem como uma rede de centros de arbitragem de conflitos de consumo cobrindo integralmente o território nacional (na nossa região essa competência pertence ao CIAB-Tribunal Arbitral de Consumo);

  4. Ao nível legal, um manancial de legislação que atribui importantes direitos ao consumidor (Direito à qualidade dos bens e serviços, direito à informação e formação, direito à proteção dos interesses económicos, direito a uma justiça acessível e pronta, entre outros), bem como proteção em áreas especialmente sensíveis, como seja a legislação que regula a compra e venda de bens de consumo (a chamada lei das garantias), ou a que protege o consumidor no fornecimento de serviços públicos essenciais (água, energia, comunicações eletrónicas e postais e transporte de passageiros), ou ainda a que o protege na contratação à distância (por exemplo no comércio eletrónico) e nas vendas efetuadas fora do estabelecimento comercial (por exemplo no comércio porta à porta).

Esta evolução tem sido constante e ainda recentemente registou novos e importantes avanços, por via do alargamento da arbitragem necessária a novas áreas.

A arbitragem necessária consiste na possibilidade de o consumidor poder submeter o conflito que tem com um agente económico à apreciação de um centro de arbitragem de conflitos de consumo, com a garantia de que o agente económico fica vinculado à decisão do Centro de Arbitragem.

Em finais de agosto último a arbitragem necessária foi alargada ao serviço de transporte de passageiros (onde se inclui designadamente o transporte rodoviário e ferroviário) e, mais recentemente, em meados de outubro, os conflitos de consumo de reduzido valor económico (considerados como tais os que não ultrapassem os 5.000€) também passaram a estar sujeitos à arbitragem necessária.



Mais de Fernando Viana

Fernando Viana - 7 Dez 2019

As comunicações postais assumiram no nosso passado uma importância muito maior que aquela que têm hoje em dia. Tempos houve em que a separação física das pessoas apenas era atenuada através do envio de uma carta, ou, se se tratasse de uma situação muito urgente, de um telegrama. O recurso ao telefone fixo, durante décadas, […]

Fernando Viana - 30 Nov 2019

Uma das perguntas que é habitualmente colocada em conferências ou seminários em que participo sobre os Centros de Arbitragem de Conflitos de Consumo, diz respeito ao valor das sentenças do Tribunal Arbitral por comparação com as dos Tribunais Judiciais. A resposta é lapidar, a sentença de um tribunal arbitral tem o mesmo valor que a […]

Fernando Viana - 23 Nov 2019

Frase batida e rebatida, o “somos todos consumidores” representa a tomada de consciência de que participamos de uma sociedade batizada “sociedade de consumo”, sociedade esta que corresponde ao estádio atual do desenvolvimento socioeconómico da generalidade dos países que integram a União Europeia. Neste modelo de sociedade, o consumidor participa ativamente adquirindo bens duradouros e não […]


Scroll Up