Espaço do Diário do Minho

Dia Mundial dos Pobres
7 Nov 2019
Silva Araújo

1. Celebra-se em 17 de novembro o III Dia Mundial dos Pobres. O Dia Mundial dos Pobres e não o Dia Mundial da Pobreza. A pobreza é abstrata. O pobre é um ser humano, de quem muitas vezes nos esquecemos, privado do necessário para poder viver com dignidade.

A mensagem que o Papa Francisco escreveu para este dia tem por tema «A esperança dos pobres jamais se frustrará».

2. O Papa fala de «muitas formas de novas escravidões a que estão submetidos milhões de homens, mulheres, jovens e crianças.

Todos os dias encontramos famílias obrigadas a deixar a sua terra à procura de formas de subsistência noutro lugar; órfãos que perderam os pais ou foram violentamente separados deles para uma exploração brutal; jovens em busca duma realização profissional, cujo acesso lhes é impedido por míopes políticas económicas; vítimas de tantas formas de violência, desde a prostituição à droga, e humilhadas no seu íntimo.

Além disso, como esquecer os milhões de migrantes vítimas de tantos interesses ocultos, muitas vezes instrumentalizados para uso político, a quem se nega a solidariedade e a igualdade? E tantas pessoas sem abrigo e marginalizadas que vagueiam pelas estradas das nossas cidades?

Quantas vezes vemos os pobres nas lixeiras a catar o descarte e o supérfluo, a fim de encontrar algo para se alimentar ou vestir! Tendo-se tornado, eles próprios, parte duma lixeira humana, são tratados como lixo, sem que isto provoque qualquer sentido de culpa em quantos são cúmplices deste escândalo».

3. Esta realidade não nos pode deixar indiferentes. Escreve o Papa:

«Ao aproximar-se dos pobres, a Igreja descobre que é um povo, espalhado entre muitas nações, que tem a vocação de fazer com que ninguém se sinta estrangeiro nem excluído, porque a todos envolve num caminho comum de salvação.

A condição dos pobres obriga a não se afastar do Corpo do Senhor que sofre neles. Antes, pelo contrário, somos chamados a tocar a sua carne para nos comprometermos em primeira pessoa num serviço que é autêntica evangelização.

A promoção, mesmo social, dos pobres não é um compromisso extrínseco ao anúncio do Evangelho; pelo contrário, manifesta o realismo da fé cristã e a sua validade histórica.

O amor que dá vida à fé em Jesus não permite que os seus discípulos se fechem num individualismo asfixiador, oculto nas pregas duma intimidade espiritual, sem qualquer influxo na vida social».

«A opção pelos últimos, por aqueles que a sociedade descarta e lança fora, é uma escolha prioritária que os discípulos de Cristo são chamados a abraçar para não trair a credibilidade da Igreja e dar uma esperança concreta a tantos indefesos.

É neles que a caridade cristã encontra a sua prova real, porque quem partilha os seus sofrimentos com o amor de Cristo recebe força e dá vigor ao anúncio do Evangelho».

«Os pobres precisam das nossas mãos para se reerguer, dos nossos corações para sentir de novo o calor do afeto, da nossa presença para superar a solidão. Precisam simplesmente de amor».

4. A atenção aos pobres exige que se lhes reconheça a dignidade de seres humanos e se criem condições para que vivam de harmonia com ela.

Cito de novo o Papa:

«Os pobres não são números, que invocamos para nos vangloriar de obras e projetos.

Os pobres são pessoas a quem devemos encontrar: são jovens e idosos sozinhos que se hão de convidar a entrar em casa para partilhar a refeição; homens, mulheres e crianças que esperam uma palavra amiga».

«A condição de pobreza não tira ao pobre «a dignidade que recebeu do Criador; vive na certeza de que a mesma ser-lhe-á restabelecida plenamente pelo próprio Deus».



Mais de Silva Araújo

Silva Araújo - 5 Dez 2019

1. O «Diário do Minho» de 16 de novembro de 2019 dedicava a página 8 a uma decisão do Município de Vieira do Minho. Titulava: «Câmara premeia Igreja de Vieira por obra feita onde o Estado falha». Lia-se no começo da reportagem: «O presidente da Câmara Municipal e a presidente da Assembleia Municipal de Vieira […]

Silva Araújo - 28 Nov 2019

Concluo a publicação de apontamentos que recolhi sobre a caridade de S. Bartolomeu dos Mártires: 8. A Frei Luís de Granada, seu antigo provincial, que estranhou a pobreza com que vivia e não condizia com a grandeza de Primaz das Espanhas, respondeu o Arcebispo com um conjunto de perguntas: «Que me faça respeitar dos pobres, […]

Silva Araújo - 21 Nov 2019

Prossigo com a publicação de situações reveladoras do que foi a caridade das obras praticada por S. Bartolomeu dos Mártires 4. Frei João de Leiria, que tinha sido seu Mestre de noviços no convento da Batalha, trouxe consigo para Braga e o substituiu durante a ausência em Trento, encomendou-lhe um dia novo hábito ao alfaiate. […]


Scroll Up