Espaço do Diário do Minho

A obsessão pelo aplauso estrangeiro
21 Set 2019
Manuel Antunes da Cunha

“Coimbra, 22 de Março de 1985. O aplauso estrangeiro. A impressão que nos causa e o desvanecimento com que a imprensa o celebra! Não é a prova real de uma pressuposta universalidade que nos importa. É a triste necessidade que temos de que os outros deem certeza aos nossos juízos incertos”, escreveu Miguel Torga, no seu Diário. Volvidas três décadas e meia, continuamos a perscrutar obstinadamente o mais pequeno encómio nas páginas da comunicação social além-fronteiras ou na boca de celebridades mais ou menos efémeras. Vivemos numa autocontemplação narcísica por procuração, renunciando a toda reflexão crítica, desde logo que um qualquer editorialista faça uma alusão elogiosa – por mais fugaz que seja – a este país à beira mar plantado ou a um dos seus súbditos. O procedimento não é recente.

O bem oleado sistema de propaganda do Estado Novo usava já amiúde esse recurso, embora de forma um pouco distinta, como ilustram as investigações de José Gil (Salazar: a retórica da invisibilidade, Lisboa, Relógio d’Água, 1995) e José Rebelo (Formas de legitimação do poder no salazarismo, Lisboa, Livros e Leituras, 1998). Para preencher a ausência (deliberada) de Salazar no espaço público nacional, a legitimação de um regime “indiscutível” e de um homem “insubstituível” passa então não apenas pela censura, mas por um conjunto doutras estratégias discursivas. Por exemplo, o ditador reserva deliberadamente as suas declarações à imprensa estrangeira, deixando à comunicação social portuguesa o papel de correia de transmissão de um conteúdo doravante autenticado por mediações supostamente imparciais.

Hoje em dia, seja qual for o partido no poder, aferramo-nos a reproduzir todas as classificações internacionais em que nos encontramos bem colocados, quase nunca questionando a objectividade das mesmas, desde que sejam em nosso favor. Sempre que brilha um jogador ou clube cá do burgo, deleitamo-nos perante as manchetes da imprensa internacional, “rendida” aos méritos desportivos lusos. “Portugal tornou-se a estrela dos mercados”, escreve um dia oWall Street Journal. No outro, é o Le Mondeque se refere ao nosso país como “o novo Eldorado para os aposentados europeus”. Segundo a edição brasileira do El País, “a educação portuguesa é a única da Europa que melhora a cada ano” e “a esquerda portuguesa encontra a fórmula do sucesso económico”. E por aí adiante…

Com certeza, temos alguns – porventura, muitos – méritos e personalidades que se destacam, mas essa fixação quase obsessiva com que reproduzimos os discursos de outrem não deixa de ser sintomática. E hoje é confortada pela própria imprensa internacional que tem posicionado Portugal como país de referência nas mais diversas áreas. Algum mérito teremos, com certeza, mas nem sempre as coisas são o que parecem.

Há meses, contactado por duas jornalistas francesas, comecei por declinar o convite para participar numa reportagem filmada em Lisboa, por não concordar com a narrativa hoje em voga sobre o “milagre económico” português, que a mesma procurava documentar. Não que não tenha orgulho no meu país, bem pelo contrário, mas procuro que o amor à pátria não me tolde demasiado o raciocínio. Acabei, todavia, por aceder ao pedido, não sem deixar bem explícita a minha posição face a tal narrativa.

Umas semanas depois, aparecia no início da peça difundida pelo magazine L’info du vrai(Canal Plus), junto ao Padrão dos Descobrimentos, vislumbrando-se um professor universitário transfigurado em apóstolo do “milagre português”. As declarações sobre os bastidores de tal suposto “milagre” (precariedade laboral, baixos salários, vagas sucessivas de emigração, nepotismo, etc..) perderam-se na sala de montagem. Presumo que não se encaixavam na narrativa mais consensual. Show must go on, como se diz lá fora…



Mais de Manuel Antunes da Cunha

Manuel Antunes da Cunha - 15 Jun 2019

Quando empurrei pela primeira vez a porta da redacção, na Rua de Santa Margarida, estava um pouco intimidado. Embora fosse um diário regional, para mim uma sala onde trabalhavam jornalistas teria forçosamente de assemelhar-se ao open spacedo Washington Postem “Os Homens do Presidente” (1976). Entrei. Estavam apenas duas ou três pessoas. Indicaram-me que o diretor […]

Manuel Antunes da Cunha - 18 Mai 2019

“Uma estação que tem 50% de sharevende tudo, até o Presidente da República! Vende aos bocados: um bocado de Presidente da República para aqui, outro bocado para acolá, vende tudo! Vende sabonetes!” As declarações do então director-geral da SIC, Emídio Rangel, proferidas no âmbito do documentário “Esta televisão é a vossa” (Mariana Otero, 52 mn, […]

Manuel Antunes da Cunha - 16 Mar 2019

Em França, o episódio ficou célebre. A 10 de Maio de 1974, num debate televisivo entre candidatos à presidência da República, o socialista François Mitterrand defendia uma mais justa repartição das riquezas, “uma questão de inteligência, mas também de coração”. A resposta de Valéry Giscard d’Estaing ficou para a história: “Antes de mais, considero ofensivo […]


Scroll Up