Espaço do Diário do Minho

Recomeçar sem interromper
17 Set 2019
João António Pinheiro Teixeira

1. Esta é a época dos recomeços. Nas escolas, nas empresas, no desporto e até na política, está tudo a recomeçar. À partida, um recomeço pressupõe uma interrupção. Há entidades que, na época estival, suspendem a actividade habitual.

2. Não é, porém, o que se passa com a missão. A missão está sempre a recomeçar. Mas sem que, alguma vez, possa ser interrompida. A missão é uma constante. Nunca pode parar. Pelo que cada recomeço ocorre imediatamente após o momento anterior. É claro que o missionário tem necessidade de descansar. Mas a missão jamais poderá ser suspensa.

3. O evangelizador tem de repousar até para melhor evangelizar. O descanso é um elemento integrante da missão. O repouso contribui para que se trabalhe com redobrada energia e acrescido entusiasmo. Acresce que, quando um missionário está em descanso, outro missionário está em actividade.

4. Trabalhar sem repousar está unicamente ao alcance de Deus e do Filho de Deus: «Meu Pai trabalha continuamente e Eu também trabalho» (Jo 5, 17). Alguns – entranhadamente mergulhados em Deus – conseguiram praticamente estar em missão «non stop».

5. Veja-se o caso de São Paulo, absolutamente assombroso. Segundo São João Crisóstomo, Paulo «desejava mais o descanso sem trabalho do que nós o descanso após o trabalho».

6. São João Paulo II – que viveu num registo muito semelhante ao de Paulo – chegou a confessar que «não tinha o direito de não estar cansado». Ressalvava, porém, que «tinha a eternidade para descansar».

7. No entanto, o próprio Jesus convidou os discípulos a descansar: «Vinde e descansai um pouco» (Mc 6, 31). O descanso mais retemperador é, sem dúvida, estar na companhia do Senhor: a escutá-Lo, a aprender com Ele.

8. Santo Agostinho tudo isto bem percebeu quando, em texto, verteu que «o nosso coração anda inquieto enquanto não repousa» em Deus. E até o «desassossegado» Antero de Quental confessou que «na mão de Deus, na Sua mão direita, descansou afinal o meu coração».

9. Acontece que o descanso do crente não implica a suspensão da missão. A missão está sempre em andamento, sempre em marcha. Enquanto uns descansam, outros prosseguem o trabalho.

10. É por isso que do começo da acção pastoral não decorre que tenha havido um anterior corte da actividade pastoral. Os pastores têm direito a descansar. Mas a Pastoral jamais pode ser interrompida. Ela é fundamental em cada momento da (nossa) vida!



Mais de João António Pinheiro Teixeira

João António Pinheiro Teixeira - 15 Out 2019

Ser cristão é estar sempre em missão. Em todo o tempo e em toda a parte, é para a missão que tem de estar (sempre) voltada a nossa acção. Esta é a maior urgência. Só que, muitas vezes, parecemos «cristãos em sonolência». Andamos muito acomodados, em estado de letargia. E nem sequer reparamos que, em […]

João António Pinheiro Teixeira - 8 Out 2019

É óbvio que as férias fazem bem. Mas, pela amostra, as férias deste ano deixaram muita gente com um ar não muito bom. Parece que as pessoas regressaram indispostas, insatisfeitas, com tendência para um discurso sombrio e o rosto fechado. Tem sido mesmo frequente – neste período pós-estival – deparar com pessoas agressivas, pouco polidas, […]

João António Pinheiro Teixeira - 1 Out 2019

Quando Jesus nos manda em missão, diz-nos para «anunciar o Evangelho a toda a criatura» (Mc 16, 15). A ilação imediata que nos sobrevém é que temos de mobilizar os lábios. Efectivamente, o anúncio faz-se com os lábios. Mas não só. Tanto mais que o anúncio dos lábios tem de corresponder ao testemunho da vida. O anúncio […]


Scroll Up