Espaço do Diário do Minho

O «sonho de Deus»!
10 Set 2019
João António Pinheiro Teixeira

  1. Não foi só Martin Luther King que teve um sonho. Deus também tem um sonho para a humanidade. Carlo Maria Martini descreve «o sonho de Deus»: «o sonho de um outro mundo, de um outro modo de ser no mundo».

  2. E este sonho começa logo no momento inicial, na criação. Como percebeu o notável exegeta – e Arcebispo de Milão – , criar «não significa apenas que Deus faz existir algo, mas que Ele vence o caos e quer a ordem, a justiça, a harmonia e a paz».

  3. Deus «quer um mundo habitável, onde seja bom viver, um mundo onde se possa dizer – como Pedro – “Senhor, como é bom estarmos aqui” (Mt 17, 4)». O que falta, então? Falta que à operação de Deus corresponda a cooperação do homem.

  4. Deus entregou a Sua obra – a terra – ao homem (cf. Gén 1, 28). E nós «destruímos a natureza sem pensar que Deus quer que este mundo possa ser habitado – e ainda por muito tempo – com a possibilidade de vivermos e de respirarmos, de desfrutarmos da beleza da natureza».

  5. Deus também sonha com um mundo «em que não haja alguns prepotentes a arrasar os outros». E que a Igreja «seja um lugar onde se viva bastante bem, onde não existam suspeitas, temores ou denúncias falsas».

  6. É certo que este sonho divino «se realizará no reino perfeito, com o regresso de Cristo». Mas sabemos também «que, desde já, nos é pedido que não o percamos de vista e, se possível, o antecipemos».

  7. É neste sentido que, entre os «verbos de Deus», Carlo Maria Martini insere os verbos «libertar» e «ordenar». Parecem antagónicos. E, hoje em dia, há quem propugne uma liberdade sem ordem. Trata-se, porém, de um monstruoso equívoco que lesa – e acaba por destruir – a própria liberdade.

  8. O agir libertador de Deus está amplamente demonstrado na Escritura. Ele toma sempre partido pelos povos oprimidos e pelas pessoas humilhadas.

  9. Israel, após a libertação do Egipto, promete «fazer tudo o que o Senhor mandar» (Ex 19, 8). É que os Mandamentos são instauradores da liberdade que respeita, da liberdade que pensa nos outros, que não se fecha em si mesmo.

  10. Os Mandamentos de Deus «têm em mente o bem do povo e, por isso, promovem a justiça e a equidade». Basta olhar para o Mandamento do Sábado (ou do Domingo para os cristãos). É um mandamento de repouso, «em contraste com civilizações orientadas apenas para a produção e exploração». Vamos continuar a adiar o «sonho de Deus»?



Mais de João António Pinheiro Teixeira

João António Pinheiro Teixeira - 26 Mai 2020

Já não bastava a palavra «pessoa» remontar ao grego «prósopon», que significa «máscara». Tal é a acepção que lhe dá Homero na «Odisseia». O curioso é que, ainda hoje, os intervenientes numa peça de teatro são denominados «personagens». Neste caso, o latim «persona» sinalizaria o facto de o actor fazer «soar», através de uma abertura […]

João António Pinheiro Teixeira - 19 Mai 2020

1. Todas as despedidas são dolorosas. Aparentemente, a Ascensão assinala a despedida de Jesus. Mas só aparentemente. A Ascensão não assinala uma despedida, mas inaugura uma presença nova. 2. Jesus não deixou o Pai quando veio até ao mundo e – agora – não deixa o mundo quando volta até ao Pai. Ele, que nos […]

João António Pinheiro Teixeira - 12 Mai 2020

1. A Igreja é Corpo, é o Corpo de Cristo. Os templos existem para agregar os membros deste Corpo, cuja Cabeça é Jesus Cristo (cf. Col 1,18). A pergunta que – nesta hora – temos de fazer é se nos templos procuramos estar sempre como Corpo. 2. Num tempo em que nos é pedido o […]


Scroll Up