Espaço do Diário do Minho

Insuficiências do ‘corpo perfeito’
9 Set 2019
António Sílvio Couto

Temos sido matraqueados – quase a roçar a intoxicação – com notícias sobre um tal jovem ator, entre a vida e a morte no hospital, que terá exagerado na administração de anabolizantes… para ter, na sua perspetiva, um pretenso ‘corpo perfeito’.

Mais do que colocar no pedestal do julgamento, sinto alguma confusão sobre o estado a que se está a chegar, tendo em conta os possíveis conceitos subjacentes a todo isto que se vai vendo… de uma forma complacente, recorrente e quase mórbida.

O que é isso de ter ou pretender ter um ‘corpo perfeito’? A noção de tal ‘perfeição’ corporal segue que critérios? Na dança de impor ‘modas de beleza’ estaremos a ser guiados por que valores? Até que ponto esta pretensão do ‘corpo perfeito’ guia ou condiciona a vida e o comportamento… pessoal e dos outros? Porque escapou para a luz do dia este submundo da beleza encomendada, fabricada e construída à custa de mentiras e arranjos de Photoshop… psicológico-moral?

Sejam quais forem as respostas a estas ou a outras questões, o problema que emergiu com a doença do tal jovem ator internado é algo mais profundo do que as reportagens à porta do hospital querem (ou queriam) dizer. Aquele internamento revela acima de tudo uma mentalidade que vai entretendo muitos dos jovens – alguns já com idade de terem juízo e de assumirem o que são na decrepitude – à mistura com outras desculpas de adolescentes em segunda vaga – isto é, adultos na barreira dos cinquenta e dos sessenta anos – que veem caducar o tempo de validade do físico e do psíquico menos bem assumido. De facto, é uma arte saber envelhecer e estar de bem com o seu corpo, tem ele as limitações que manifestar e revele as lacunas que não possa mais esconder. Tudo o resto soa a falsidade e a tentativa de engano sobre si mesmo e para com os outros… esses que já viram o que evitam dizer-nos, por defeito de verdade e na assunção dos erros que devem ser enquadrados…naturalmente.

= É de longa data, na cultura humana (dita) civilizada, a exaltação do cuidado com o corpo humano. Quem não lembra da cultura geral a proposta da cidade-estado de Esparta, na Grécia? Aí ter um corpo esbelto e atlético era bem mais importante do que essa outra visão de Atenas da sabedoria, onde o tal cuidado, embora não fosse totalmente negligenciado, não tinha o mesmo destaque. Da Roma antiga é conhecido o princípio – ‘mens sana in corpore sano’: uma mente sã num corpo são – tentando aliar os dois elementos – corpo e alma – como constitutivos da nossa identidade equilibrada.

Na idade do renascimento – em reação a um certo desprezo da época medieval – recrudesceu a tentativa de conseguir um corpo que fosse modelar, à boa maneira das figuras das estátuas greco-romanas, que foram redifundidas na Europa ocidental. Se repararmos bem nesse tempo muitas das figuras masculinas da sociedade – até de papas – foram retirando a barba como forma de não impedir uma certa beleza do corpo. Nisto poderemos encontrar alguns indícios de que a beleza pode passar por retirar aquilo que impeça de que, no corpo, se manifeste alguma harmonia ao menos estética.

= Vejamos tendências mais recentes de ostentação de certos sinais para com o corpo e no próprio corpo: o recurso a piercings, uma espécie de grafitagem através das tatuagens, a moda da barba com leituras mais abrangentes do que de descuido, as corridas e caminhadas para manter a forma à mistura com múltiplos adereços para que se possa ter – no conceito mais abrangente – ‘qualidade de vida’ naquilo que anteriormente era suposto atender-se.

Muito para além de um suporte de vida, o corpo é a nossa condição de vida e é nele e por ele que estamos na vida, embora ele não seja o elemento exclusivo, pois, nas dimensões psicológica e espiritual, nós somos muito mais do que essa matéria que nos faz mostrar quem somos. Por isso, cuidar somente do corpo, esquecendo essas outras dimensões do nosso ser, será reduzir-nos a muito pouco e quase só materialista.

Será tendo uma visão holística cristã daquilo que somos – corpo, alma e espírito – que poderemos sentir-nos bem e nisso manifestarmos os valores que conduzem a nossa existência em condição terrena: precisaremos de estar mais atentos para que não sejamos um corpo são numa alma doente, por um espírito indolente…

DESTAQUE

Muito para além de um suporte de vida, o corpo é a nossa condição de vida e é nele e por ele que estamos na vida, embora ele não seja o elemento exclusivo, pois, nas dimensões psicológica e espiritual, nós somos muito mais do que essa matéria que nos faz mostrar quem somos.



Mais de António Sílvio Couto

António Sílvio Couto - 1 Jun 2020

Neste tempo assaz complexo que temos estado a viver de confinamento originado pelo coronavírus ‘covid-19’ dá a impressão que estamos mais suscetíveis de refletir e mesmo de discernir os sinais dos tempos nas coisas desta época. Tenho bem marcado na minha memória – poderá ser até o mais impressionante de tudo isto – a simbologia […]

António Sílvio Couto - 25 Mai 2020

Grosso modo de 15 de março a 15 de maio, isto é, dois meses, vivemos em confinamento. Vivemos isso que tem sido a retração de contatos sociais e de cumprirmos a recomendação de #fiqueemcasa…com que fomos matraqueados, sem dó nem piedade. Por outra perspetiva e se atendermos às datas e ao seu significado podemos ver, […]

António Sílvio Couto - 18 Mai 2020

«Mesmo estando em nossas casas viveremos esse momento em espírito de peregrinação. O recinto do santuário estará vazio, mas não deserto. Ainda que separados fisicamente, estaremos todos aqui espiritualmente unidos como Igreja com Maria, de modo intenso, com o coração cheio de fé». Foi deste modo simples, direto e sincero que D. António Marto, cardeal-bispo […]


Scroll Up