Espaço do Diário do Minho

Mentes à deriva
30 Ago 2019
Artur Soares

Temos de reconhecer que o país é rico em acontecimentos trimestrais, mensais e diários. Não em acontecimentos da resolução da vida dos portugueses, como o progresso, a morte da dívida que nos vai matando, o problema do desemprego, as injustiças laborais que a todos adoece, a insegurança do local de trabalho de qualquer profissional ou os serviços públicos onde, qualquer pena de galinha emperra. O país é, tem sido rico em acontecimentos negativos, onde se nota mentes à deriva.

Muito se falou e escreveu estes dias, sobre Salazar e o seu Estado Novo! Não me apercebi que eram salazaristas que falavam e opinavam. Não ouvi ninguém que fosse defensor do homem de Santa-Comba-Dão. Apenas ouvi e li opiniões de democratas públicos, democratas bem colocados quer nos serviços da política e devidamente bem pagos, rechonchudos e muito bem trajados, embora democratas de ocasião, isto é, democratas que não aceitam as opiniões dos outros; democratas que não respeitam o ser ou o sentir do Povo que tem de os suportar; democratas que, se vivos no tempo de Salazar, tudo fariam – com cunhas ou sem cunhas – para serem seus ministros ou seus engraxadores das botas com piso de pneu, que o velho usava.

Estes democratas que nos governam, nunca viram Salazar, nunca entenderam a política de Salazar, nunca ouviram falar Salazar: porque uns eram de tenra idade e outros porque em devido tempo não tinham capacidade – assim como hoje – de servirem o país sob as orientações do homem de Santa Comba.

Salazar foi político? Fez política? Foi Estadista inteligente? Foi e fez o que era necessário. Salazar conhecia como ninguém a desgraça que os democratas da 1.ª república deixaram o país, num curto espaço de quinze anos. Salazar, para os queques de qualquer partido político de hoje, deveria ser admirado, compreendido e respeitado. Não era mentiroso, não era cleptocrata, vivia com o que havia e nunca o país foi empresa que o enriquecesse, como estes agora pugnam.

Porque conheci muito bem “os tempos de Salazar”, consigo dividir esses tempos em duas partes: os primeiros cerca de vinte anos, foi um estadista imprescindível à recuperação económica que a 1.ª república afundou e roubou, em proveito próprio. O segundo tempo de Salazar foi negativo, pois o país estagnou e as suas políticas não eram exercidas com as exigências do pós II Guerra. Fez prisões políticas, enviou muitos para o exílio, criou a PIDE, deu continuidade à Censura da 1.ª república e não foi capaz de resolver a guerra colonial, com uma possível amizade entre todos nós.

A história de qualquer país não tem vento, tempo ou humidade capazes para a anularem. A história só será possível apagá-la, apagando-se a Humanidade. E Salazar é da história e é humanidade. Ninguém pode esconder da história de Portugal uma Amália Rodrigues, um futebolista Eusébio ou um Cristiano Ronaldo. Salazar, quer se goste ou não, quer se admire ou não, já é história de Portugal. E se o Estado Novo existiu, com Salazar à cabeça, pergunte-se aos democratas republicanos quem matou o Rei D. Carlos em 1910 e seu filho e que país criaram durante década e meia em Portugal!

Justificando-se a existência do início do Estado Novo/Salazar – e penso ter-se justificado durante dez ou quinze anos – que razões têm estes maltrapilhos da 3.ª república em contestarem uma Fundação, um Museu ou um Centro de Interpretação do Estado-Novo, como o Autarca do PS de Santa Comba advoga?

São tão inseguros, tão débeis, tão incapazes estes políticos que o “25 do quatro” herdou, que têm medo de que o Povo faça peregrinação ao Museu, ou que ainda surja uma tíbia do velhote dependurada no tecto da Assembleia da República e os dizime. O povo, os povos, têm o direito de saber, de analisar, de estudar a sua história, os seus destacados líderes, quer pela positiva ou negativa. Só dessa forma se é povo, responsável e culturalmente livre.

O Autarca do PS de Santa Comba não faz mais do que a sua obrigação moral e política de ser defensor de um Museu, Fundação ou o que quer que haja, porque trata-se de um Estadista com valores e defeitos políticos – como os mini-estadistas de hoje – nascido na autarquia que lidera. Não vi, não li, nem ouvi Salazaristas a pronunciarem-se contra o mal da II república e muito menos rejeitarem um Museu. O Povo já não tem medo das políticas de há cinquenta anos e, se for aumentar a sua cultura, indo ao Museu do Estado Novo, nunca se poderá chamar peregrinação em prol do salazarismo. Entendo que é melhor visitar o Museu em Santa Comba, que visitar Prisões com os Sócrates no Alentejo ou em qualquer outra zona de Portugal.

(O autor não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico)



Mais de Artur Soares

Artur Soares - 29 Mai 2020

Afirmam os filósofos ou os sábios, que nem todos sabem tudo, mas todos sabem alguma coisa. Esta afirmação pode ser extensiva àqueles que nem tudo podem fazer, mas todos podem fazer alguma coisa. Também recordo um conselho do Sr. Arcebispo D. Jorge Ortiga, quando numa reunião disse que o ideal na Igreja era que todos […]

Artur Soares - 22 Mai 2020

O tempo que ora passamos, é tempo para reflexões, é tempo para cada cidadão se interrogar sobre a sua vivência anterior ao ano em curso e tempo para programar as alterações que têm de se executar num futuro muito próximo. Sobretudo, este tempo, é um tempo que exige silêncio, precisamente para poder haver introspecção. Ninguém […]

Artur Soares - 15 Mai 2020

O ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, declarou publicamente que o seu actual presidente Donald Trump, é o pior presidente de sempre, o que tem feito uma política desastrosa no país, política que cognominou de monstruosa em todos os sectores da vida nacional: na saúde, na vida social, nos contractos nacionais e internacionais, etc., tudo […]


Scroll Up