Espaço do Diário do Minho

A força do poder ou o poder da força?
19 Ago 2019
António Sílvio Couto

O ambiente social em que temos estado a viver neste verão coloca-nos exatamente esta questão que é muito mais do que um trocadilho: perante um problema social – de segurança ou de boa convivência – não estaremos a ser induzidos a aceitar a força do poder, simbolizado em medidas de natureza excecional elevadas à categoria de normalidade ou, pelo contrário, o poder não tem estado a usar de mecanismos de força para se fazer afirmar, respeitar e governar…mesmo que isso implique serem cometidas tropelias para com direitos (pretensamente, noutros casos) constitucionais?

O silêncio de certas forças, que (ainda) se dizem defensoras dos trabalhadores, do povo e da classe operária é atroz: há um ruído de fundo que não deixa escutar quem nada diz e tão pouco nos permite perceber se a experiência de terem estado nas franjas do poder lhes calcinou os protestos… Numa linguagem um tanto saloia como que diria: bastará acenar com uns tantos tachos na governação que os protestos se calam, mais por conveniência do que por convicção. Assim, quando saírem a reivindicar já saberemos que é mais por vontade de protagonismo do que por quererem mudar – para bem do que pelo bem – seja o que for… Há chavões ideológicos que foram metidos na gaveta do sindicalismo em exercício.

= Nesta balbúrdia de interesses, em conluio misturado à la carte, há questões que emergem, numa tentativa de entender o cenário, de compreender os atores e de decifrar a mensagem.

Em tempo já de campanha para as próximas eleições legislativas, este conflito socio-sindical tem aparecido como uma razoável oportunidade de fazer sobressair o partido que governa, havendo quem protagonize que pode ser uma rampa de lançamento para uma vitória maioritária, que até agora não se refletia nas recentes sondagens. Por outro lado, a posição displicente do resto dos partidos – tanto os da geringonça como os da putativa oposição – meteram férias, deixando campo aberto a que, quem manda, se torne ‘rei e senhor’ de tudo e do resto. Estamos perante um gritante abuso de poder, sem olhar a meios para atingir os fins… sejam lá quais forem os pretendidos!

De facto, as pretensões dos agora grevistas surgiram de forma nebulosa, pois não se entendeu logo se queriam parar o país ou se desejavam que olhássemos para eles como trabalhadores mal pagos, embora sem conhecermos, verdadeiramente, as contas pelas quais se regem, ganham e são remunerados. Por seu turno, os empregadores – pulverizados numa associação que envolve múltiplas funções e diversas marcas de corporativismo – sentem que não devem entregar, de forma tão simples e rápida, a garantia de aumentos para vários anos de exploração laboral. Eles sabem que nesse intervalo poderá surgir uma nova crise económica – daqui a dois anos (2021) – e os aumentos pretendidos serão inexequíveis…

= Se atendermos aos sinais que nos foram dados por estes dias como que podemos começar a conjeturar: se o governo ainda não tem maioria e já se comporta desta forma minimamente despótica, o que será se atingir a maioria absoluta: irá tratar os contestatários – sindicalistas ou outros – do modo mais cilindrado que lhes for possível; reduzirá à utopia a ‘consagrada’ lei da greve; será implacável para com quem se lhe oponha, usando requisições civis ou serviços mínimos com fartura…

Efetivamente a máquina de propaganda – na sua maioria servida por uma razoável comunicação social seguidista – está a trabalhar com todo o empenho para que sejamos reduzidos à portugalândia mais etérea, pois não ser, mesmo que camufladamente, por quem governa soará quase a traição aos ideais sempre anunciados, mas ainda não atingidos…

Resta-nos esperar que por cá aconteça o mesmo fenómeno que percorreu o resto da Europa (e não só) da falência das teias de índole socialista/trotskista/comunista… Desde 1989 foram caindo como peças dum espetáculo mais ou menos insonso… nos mais diversos países onde mandaram e foram peias no poder. Por cá – como sempre atrasados duas décadas – ainda vigoram com teorias sociais, projetos económicos e tentativas financeiras. De verdade a força do poder quase sempre se esboroa quando se pretende impor como poder pela força. Oxalá o povo tenha memória no espaço mais curto possíve



Mais de António Sílvio Couto

António Sílvio Couto - 16 Set 2019

Afirmar que ‘muita gente vive à custa dos pobres’ é tanto mais escandaloso quanto óbvio: retirem os pobres dos discursos dos políticos – dentro ou fora de campanha eleitoral, nas decisões ou nas promessas – e pouco ficará na agenda e nas notícias; cortem o que muitos sindicalistas almejam para com os pobres e sucumbirão […]

António Sílvio Couto - 9 Set 2019

Temos sido matraqueados – quase a roçar a intoxicação – com notícias sobre um tal jovem ator, entre a vida e a morte no hospital, que terá exagerado na administração de anabolizantes… para ter, na sua perspetiva, um pretenso ‘corpo perfeito’. Mais do que colocar no pedestal do julgamento, sinto alguma confusão sobre o estado […]

António Sílvio Couto - 2 Set 2019

Há dias recebi esta estória. Por muito rude que pareça, talvez possa falar o bastante daquilo que temos estado a viver e, sobretudo, poderá ser uma prevenção para com tantos que nos tentam cativar… até para as próximas eleições. Numa da suas reuniões, Hitler pediu que lhe trouxessem uma galinha. Agarrou-a fortemente com uma das […]


Scroll Up