Espaço do Diário do Minho

Um «incendiário» chamado Jesus!
13 Ago 2019
João António Pinheiro Teixeira

  1. Nesta época de calor, o Evangelho apresenta-nos Jesus como um «incendiário». Eis o que Ele nos diz: «Eu vim lançar fogo sobre a Terra e só quero que ele se tenha ateado» (Lc 12, 49).

  2. Jesus, de facto, é um «incendiário». Ele quer «incendiar» o mundo com chamas que destruam o nosso instalamento, o nosso comodismo, a nossa indiferença.

  3. Ao contrário do que acontece com os outros incêndios, este «incêndio» desencadeado por Jesus não pode ser apagado. O «incêndio» desencadeado por Jesus não é para apagar, mas para atear. Este «incêndio» tem o nome de Evangelho.

  4. Evangelizar é, pois, «incendiar». Cada evangelizador tem de ser um «incendiário»: um «incendiário» do amor, da verdade, da justiça e da paz.

  5. A mensagem de Jesus é interpeladora e desafiadora. Porque Ele é diferente, não deixa ninguém indiferente. Há quem O acolha, mas também não falta quem O rejeite.

  6. Este quadro devia levar-nos a reflectir muito e a inflectir bastante. É possível que nem tudo esteja bem quando tudo (aparentemente) corre bem. Curiosamente, é São Lucas que nos transmite este aviso de Jesus: «Ai de vós quando todos disserem bem de vós» (Lc 6, 26).

  7. Jesus opta mais pela incomodaçãodo que pela acomodação. Jesus não se revê em quem se acomoda ao mundo. Revê-se mais em quem se incomoda com o mundo. O Evangelho é paz, mas nem sempre é sossego. O Evangelho pode ser visto até como uma espécie de «Livro do Desassossego». Jesus pacifica, mas não sossega. Ele quer-nos permanentemente desassossegados.

  8. A paz de Jesus — a paz que é Jesus — não é uma vida diluente ou dissolvente. A recompensa que nos espera não é o aplauso do mundo, mas a aprovação de Deus.

  9. Se o objectivo do cristão fosse ser aplaudido, haveria ídolos, não haveria mártires. Ídolos são aqueles que o mundo aplaude. Mártires são aqueles que o mundo condena.

  10. O mundo não melhora quando os cristãos se conformam. O mundo só acorda quando os cristãos despertam. Uma nova luz se acende quando nenhum cristão se rende!



Mais de João António Pinheiro Teixeira

João António Pinheiro Teixeira - 25 Fev 2020

Estamos num tempo em que nos apressamos muito e pensamos pouco. E, embora rime, «pensar» não combina bem com «apressar». Não foi, aliás, em vão que Aranguren tipificou a «pressa» como uma das maiores enfermidades da nossa época. A pressa traz-nos, sem dúvida, muito activos. Às vezes, até nos torna demasiado hiperactivos, quase autómatos. «Mega-apressados», […]

João António Pinheiro Teixeira - 18 Fev 2020

É grande o risco de acidente quando se conduz ao contrário. Não estaremos nós a correr esse risco? Em vez de valorizar a vida, andamos a banalizar a morte. Em vez de (procurar) viver a morte, vamo-nos limitando a matar a vida. Daí que, em vez de nos preocuparmos com a qualidade de vida, optemos […]

João António Pinheiro Teixeira - 4 Fev 2020

Talvez sem nos apercebermos, fomo-nos tornando mais autómatos que autónomos. É um facto que passamos o tempo a exaltar a autonomia. Mas, no fundo, também gastamos a vida a praticar uma estranha – embora raramente assumida – automatia. Se repararmos, são muitas as palavras que repetimos mecanicamente. E são inúmeros os gestos que realizamos sem […]


Scroll Up