Espaço do Diário do Minho

Porque querem excluir a Igreja da vida política?
12 Ago 2019
António Sílvio Couto

Foi parangona de jornal de razoável tiragem: ‘portugueses querem a Igreja afastada de questões políticas’… Embora o tema seja, no texto do artigo, secundado, ele pode servir de chamariz para quem veja os títulos e por eles se deixe cativar.

Eis a citação do referido texto: «a interferência da Igreja em assuntos mundanos desagrada. Para metade das pessoas, deve limitar-se a temas religiosos e, para um décimo, pode pronunciar-se sobre tudo, menos política».

Dada a importância do tema – sobretudo pela proximidade às eleições legislativas de outubro – talvez isto possa parecer uma ameaça aos membros da Igreja – é abusivo dizer no sentido lato, pois hoje há muitas Igrejas em serviço e com propostas – tanto do clero como dos leigos ou ainda quem viva integrado nalgum dos partidos concorrentes.

Fazendo parte de uma sondagem – os portugueses e a religião – as considerações de natureza opinativa deixam um tanto a desejar, mais pelo preconceito do que pela leitura dos diferentes itens em análise. Com efeito, meter no mesmo âmbito a frequência dos sacramentos com a ritualidade, o leque de praticantes com as instruções morais à mistura com leituras exógenas da frequência dos santuários… pode servir para denegrir a vivência religiosa, mas não afiança da qualidade anticristã com que muita da comunicação social olha, observa e rotula a Igreja, digamos, católica, sem pretensão de defesa nem de favorecimento social.

= Dos dados apresentados decorrentes da tal sondagem podemos respigar: 17% dos portugueses vão à missa todas as semanas; 36% vão, pelo menos, uma vez por mês; os sacramentos – de conotação mais social: batismo, casamento e funeral – fazem com que 34% dos portugueses vão à igreja com regularidade…

Diante destes números de prática religiosa (87%) será ainda mais inquietante aquela observação supra citada de que não querem que a Igreja tenha intervenção na vida política. Será porque os milhões de praticantes podem influenciar os resultados, quando certos valores vão fascinando os mais incautos? Será porque do anódino de tantos se poderá continuar a explorar a ignorância do resto? Será porque os votos dos devotos podem sacudir a consciência de mistura, de conveniência e de confusão entre a vida e a fé? Porque querem condicionar a intervenção da Igreja na vida política, será por medo ou por incapacidade de continuar a manipulação de alguma comunicação social e duns tantos interesses ideológicos subjacentes?

= A intervenção da Igreja católica na política – enquanto designação da vida em público sem a conotação redutiva de natureza partidária – é decorrente do compromisso dos cristãos na sociedade. Restringir, condicionar ou obstaculizar essa intervenção é coartar uma das facetas de identidade da missão dos cristãos no mundo. A ‘polis’ (cidade) é a organização da vida de todos, tendo em conta os outros e conjugando-se todos no bem comum.

O Catecismo da Igreja católica diz-nos:

* Direito – «a Igreja, que em razão de seu múnus e de sua competência, não se confunde de modo algum com a comunidade política, é ao mesmo tempo sinal e salvaguarda do caráter transcendente da pessoa humana. ‘A Igreja respeita e promove a liberdade política e a responsabilidade dos cidadãos’» – n.º 2245.

* Dever –«faz parte da missão da Igreja “emitir juízo moral também sobre as realidades que dizem respeito à ordem política, quando o exijam os direitos fundamentais da pessoa ou a salvação das almas, empregando todos os recursos – e somente estes – que estão de acordo com o Evangelho e com o bem de todos, conforme a diversidade dos tempos e das situações» – n.º 2246.

É diante do Evangelho que temos de aquilatar da nossa intervenção política, seja qual for a vocação ou a missão de um cristão. O resto poderá ser considerado deserção, medo ou cobardia… agora e no futuro.

Não queiram amordaçar a mensagem do Evangelho. A mim não atemorizam, pois tenho tanto direito de me pronunciar sobre um assunto qualquer, quanto um outro cidadão, pois tenho os impostos em dia e todos os outros encargos de cidadania, votando sempre, de forma consciente, clara e pensando nos outros. A política –já dizia Aristóteles – é a mais sublime das artes…

Destaque

A intervenção da Igreja católica na política – enquanto designação da vida em público sem a conotação redutiva de natureza partidária – é decorrente do compromisso dos cristãos na sociedade. Restringir, condicionar ou obstaculizar essa intervenção é coartar uma das facetas de identidade da missão dos cristãos no mundo.



Mais de António Sílvio Couto

António Sílvio Couto - 24 Fev 2020

Uns tantos – políticos, jornaleiros (os que escrevinham ideologicamente nalguma comunicação social), comentadores, dirigentes associativos e/ou desportivos e quejandos) – andavam ansiosos porque fosse incendiado o rastilho do ‘racismo’. As manifestações de alguns adeptos – sócios ou não – num jogo de futebol, no domingo, dia 16 de fevereiro, em Guimarães, foi a pedra de […]

António Sílvio Couto - 17 Fev 2020

Há dias conversava com um padre africano e chegamos à triste conclusão que muitos dos nossos problemas, na Europa e por especial incidência em Portugal, são próprios e típicos de uma sociedade velha e envelhecida, podre embora pretensamente rica, vazia de valores à mistura com questões de quem se entretém com o secundário em vez […]

António Sílvio Couto - 10 Fev 2020

«A vida há de ser acolhida, tutelada, respeitada e servida desde o seu início até à morte: exigem-no simultaneamente tanto a razão como a fé em Deus, autor da vida». Ocorre, no próximo dia 11, o 28.º mundial do doente, sob o tema. ‘vinde a Mim, todos vós que andais cansados e oprimidos, que Eu […]


Scroll Up