Espaço do Diário do Minho

AO SABOR DAS “TÂMARAS”
12 Ago 2019
Narciso Mendes

Do Aeroporto (Enfidha) a Sousse, zona de veraneio e não só, são cerca de 32km de distância. E daí até Túnis, capital da Tunísia, cerca de 150 km as separam por entre oliveiras e vinha (principais culturas agrícolas da região), mas com muita aridez à mistura. E antes de lá chegar pude observar, no cimo de uma elevação, o palácio que os italianos ergueram em honra de Mussolini. Só que a controversa figura nunca o chegou a habitar, ficando ali para contar a história. Porém, à entrada da capital tunisina algo curioso me foi dado a conhecer. Aquilo a que por lá chamam o “triângulodas Bermudas”. Ou seja, à direita uma fábrica de tabaco, em franca produtividade; defronte, à esquerda, o hospital e em frente deste, à direita, o cemitério local com sepulturas até as perder de vista. Enfim, segundo eles, a “trilogia dos fumadores”.

Percorrendo as ruas deTúnislá surgiu a sua Medina, pelo que me foi dito ser uma das maiores do mundo e, desde 1979, classificada Património Mundial da Unesco. A qual, leva algumas horas a percorrer e onde existe, para além de muito comércio (como o da joalharia, artesanato, perfumaria etc.), uma sumptuosa Mesquita cujo imponente minarete se avista a alguns quilómetros de distância. Constituindo-se um centro histórico por excelência, graças ao seu antigo casario; às estreitas ruas e aos cerca de 700 monumentos.

A excursão prosseguiu ao sabor das “tâmaras” – fruto em abundância naquele país da África do Norte e da região do Magrebe, devido à influência da Liga Árabe –, agora para a cidade deCartago. Ali, pude contemplar as ruínas das Termas de Antonino, vestígios da expansão do Império Romano por aquelas paragens, vendo o que resta da autêntica pilhagem de que foi vítima o monumento. Pois as colunas que lá se erguem, com cerca de 20 metros de altura, mostram bem a grandiosidade do que fora, outrora, aquele lugar de lazer e banhos dos romanos junto a um lago de água salgada que separa as duas cidades tunisinas ligadas por uma, recente, ponte.

Era chegada altura de rumar para Sidi Bou Said, sítio de um povo pitoresco conhecido pelas suas casas (portistas?)azuis e brancas, nunca de outra cor, sempre com o comércio a fervilhar pelas suas íngremes calçadas até ao miradouro local. E, uma vez almoçado, era tempo de ir à cidade de El Jem, onde se encontra o Coliseu mais bem conservado do mundo e que serviu de cenário a vários filmes históricos, como Ben-Hur. Para depois continuar, seguindo para a aldeia de Matamátacom as suas casas trogloditas. Tendo dado, também, uma escapadinha aDouz, para apreciar o deserto do Saara, cujas suas finas areias cobrem 40% do território da Tunísia e onde os camelos são atração turística. Depois de um saltinho a Tozeure a Chot El Jerid, a fim de contemplar o lago salgado e apreciar o fenómeno do espelhismo, era já tempo de terminar o passeio com uma espreitadela aKairouman, capital santa do Islão regressando, de imediato, à base.

Porém, depois daquelas simpáticas visitas, o que mais me cativou foram as praias de areia dourada banhadas pelas cálidas águas do mar Mediterrâneo a mimarem-me o corpo, depois de um longo inverno português. Contudo, apesar de saber como trajavam, o que de certo modo me chamou a atenção foi ver as mulheres tunisinas e suas congéneres muçulmanas (cuja religião só na Tunísia pesa à volta de 90%, embora respeitem a católica) a entrarem na água do mar vestidas dos pés à cabeça – acompanhadas dos maridos em calção e tronco nu –, para depois se secarem ao sol junto das semidespidas de outros países.

Em intervalo do terror, dos recentes ataques bombistas, não me deu a ideia de curtirem muito tal aspeto. Uma vez que só me lembrava dele quando via polícias – empunhando armas – a vigiarem as ruas, ou as revistas efetuadas nos hotéis. Aliás, a segurança fora sempre a preocupação do falecido Presidente da Tunísia, Essebsi,que morreu em 25 Julho de 2019, aos 92 anos, considerado, por lá, pai da democracia.

Destaque

O que mais me cativou foram as praias de areia dourada banhadas pelas cálidas águas do mar Mediterrâneo.



Mais de Narciso Mendes

Narciso Mendes - 16 Set 2019

Já há muito tempo que ando para trazer à cena um caso que se passou com um conterrâneo meu, o Meneses, durante o chamado PREC (Processo Revolucionário em Curso),1974/75, tendo como pano de fundo a chamada ideologia comunista tão em voga, nesse tempo, na antiga URSS (União Soviética)e no Gonçalvismoem Portugal. Em que havia, como […]

Narciso Mendes - 2 Set 2019

Não é só o talentoso fadistaCamanéque sabe de umRio,em que as únicas estrelas nele sempre debruçadas são as luzes da cidade e onde, segundo o poema, a própria mentira tem o sabor da verdade. Pois trata-se de um curso de água imaginário que, por ter nascido sob o signo da sede de romance, deixa no […]

Narciso Mendes - 26 Ago 2019

Não hajam dúvidas de que foi oportuna a candidatura bracarense à elevação do Bom Jesus do Monte a Património Mundial da UNESCO. Tendo-se constituído em verdadeiro êxito, graças ao esforço, dedicação e vontade de todos quantos pelejaram corajosamente nesse sentido, sem que alguma vez vacilassem ou duvidassem de o conseguirem. É assim que a cidade […]


Scroll Up