Espaço do Diário do Minho

Porque morre tanta gente nas nossas estradas?
5 Ago 2019
António Sílvio Couto

Os dados são incríveis e despudoradamente tristes: em 2018 morreram nas estradas portuguesas 513 pessoas, em 132.378 acidentes… verificando-se um crescendo contínuo desde 2016 com 445 vítimas mortais e em 2017 verificou-se um total de 510. De referir ainda o crescimento progressivo de peões atropelados de forma fatal: 105 em 2018 num aumento de 4% em relação ao ano transato.

Com estradas melhores e com uma pretensa maior segurança rodoviária como se podem entender estes números? Atendendo à significativa melhoria das viaturas, onde está, então, o maior risco? Como se pode explicar que, tendo regredido nos anos anteriores, esta ‘batalha’ nas estradas esteja novamente a ceifar mais vidas? Os fatores humanos não serão mais importantes do que as condições materiais? Cada utente das estradas – condutor, peão ou noutra circunstância – já terá interiorizado que a possível desgraça não está dependente dos outros mas de si mesmo? Apesar de todas as regras, códigos ou sanções, já teremos conseguido transpor para a estrada a mais elementar educação cívica, social e ética?

= Sem qualquer pretensão de apresentar ‘lições’ deixo a citação do decálogo dos condutores, num documento da Santa Sé, de 20 de junho de 2007:

«1. Não matarás;

2. A estrada seja para ti um instrumento de comunhão, não de danos mortais;

3. Cortesia, correção e prudência ajudar-te-ão;

4. Sê caridoso e ajuda o próximo em necessidade, especialmente se for vítima de um acidente;

5. O automóvel não seja para ti expressão de poder, de domínio e ocasião de pecado;

6. Convence os jovens e os menos jovens a não conduzirem quando não estão em condições de o fazer;

7. Apoia as famílias das vítimas dos acidentes;

8. Procura conciliar a vítima e o automobilista agressor, para que possam viver a experiência libertadora do perdão;

9. Na estrada, tutela a parte mais fraca;

10. Sente-te responsável pelos outros».

Em qual destes ‘pecados’ mais incorro em infração? Em que é que tenho de corrigir-me, quando ando na estrada, tanto como condutor ou como peão? Como poderemos, na estrada, manifestar-nos mais do que bons cumpridores do código respetivo? Já nos apercebemos que é na estrada que manifestamos muito daquilo que somos, mesmo sem nos darmos conta?

= Efetivamente no nosso país conduz-se mais ou menos mal e até admira que não haja mais acidentes. Muitas das vezes o carro não passa do prolongamento de algum complexo ou de algum trauma mal resolvido ou até revela a pessoa que está em conflito no/a condutor/a. Certas atitudes na estrada revelam que há muitos/as condutores/as que se acham no dever de impor aos demais as lutas interiores em diversos âmbitos, desde os mais facilmente detetáveis até à complexa dimensão fálico-psicanalítica. O poder de ter um volante nas mãos como que se torna uma conquista sobre os seus medos ou recalcamentos. À agressividade tantas vezes manifestada deve reportar-se a condução defensiva, isto é, em que antes de provocar algum acidente devemos preveni-lo ou evitá-lo…com sabedoria, arte e engenho.

Ainda recentemente percorri mais de mil e seiscentos quilómetros em estrada e não vi nenhum acidente. Considero uma sorte nem sempre fácil de vivenciar, pois, noutras situações, bastará sair à rua para vermos a amálgama de erros, de infrações e mesmo de transgressões graves… de condutores e mesmo de peões.

Neste tempo que alguns reputam em termos conseguido um maior ou menor sucesso económico é bom de ver quantas máquinas poderosas em mãos nem sempre bem preparadas para as conduzirem. A velocidade é, na maior parte dos casos, inimiga da segurança, assim como a falta de destreza pode ser um engulho para quem se cruza com algum inepto na arte de guiar.

Será que me conheço ou dou a conhecer quando ando na estrada? Um pouco mais de atenção não faz mal!

Destaque

Já nos apercebemos que é na estrada que manifestamos muito daquilo que somos, mesmo sem nos darmos conta?



Mais de António Sílvio Couto

António Sílvio Couto - 24 Fev 2020

Uns tantos – políticos, jornaleiros (os que escrevinham ideologicamente nalguma comunicação social), comentadores, dirigentes associativos e/ou desportivos e quejandos) – andavam ansiosos porque fosse incendiado o rastilho do ‘racismo’. As manifestações de alguns adeptos – sócios ou não – num jogo de futebol, no domingo, dia 16 de fevereiro, em Guimarães, foi a pedra de […]

António Sílvio Couto - 17 Fev 2020

Há dias conversava com um padre africano e chegamos à triste conclusão que muitos dos nossos problemas, na Europa e por especial incidência em Portugal, são próprios e típicos de uma sociedade velha e envelhecida, podre embora pretensamente rica, vazia de valores à mistura com questões de quem se entretém com o secundário em vez […]

António Sílvio Couto - 10 Fev 2020

«A vida há de ser acolhida, tutelada, respeitada e servida desde o seu início até à morte: exigem-no simultaneamente tanto a razão como a fé em Deus, autor da vida». Ocorre, no próximo dia 11, o 28.º mundial do doente, sob o tema. ‘vinde a Mim, todos vós que andais cansados e oprimidos, que Eu […]


Scroll Up