Espaço do Diário do Minho

A geração «melhor» preparada de sempre
31 Jul 2019
M. Moura Pacheco

É uma afirmação que já se tornou um lugar comum. Na rádio, na televisão, nos jornais, comentadores, opinadores e, sobretudo, políticos repetem à saciedade que, actualmente, Portugal tem «a geração melhor (sic) preparada de sempre». E, de tantas vezes repetida, passa de afirmação gratuita a verdade acriticamente aceite.

Curiosamente, o português calino em que está formulada faz da própria afirmação um auto-desmentido: mostra que a tal geração não distingue entre o comparativo de «bom» e o comparativo de «bem». Ou seja: pelo menos no que à língua materna respeita, não estará tão bem preparada quanto se pretenda fazer crer.

Temos sim, a geração mais diplomada de sempre – o que é completamente diferente e nada (ou muito pouco) tem que ver com mais ou menos preparação. O facilitismo que se instalou no nosso sistema de ensino, a indisciplina na Escola, o laxismo na avaliação, a ausência de rigor nos comportamentos e nos conhecimentos, a deliberada confusão entre exigência e despotismo – tudo isto se junta, conjuga e inter-age de forma a tornar quase automático o acesso ao diploma.

E assim chegamos a uma geração de diplomados… desempregados e… impreparados e… ludibriados! Sim, ludibriados! Porque uma Escola que lhes disse que os ia preparar para a vida, que, ao fim de uns anos, lhes disse que estavam preparados e lhes deu mesmo um diploma a dizer que estavam, afinal não preparou coisa nenhuma que não fosse uma grande desilusão!

Basta prestar atenção à maioria: ver como escrevem, ouvir como falam, observar o desenho do raciocínio e o estádio cultural de muitos destes diplomados . E logo concluímos que foram «burlados» pela Escola que os diplomou.

Mas os outros? Os «craques»? Os alunos brilhantes que se distinguem das mais diversas maneiras, nas mais diferentes áreas – e de que, justamente, se faz tanto anúncio? Bom, esses são os génios, são aqueles que brilham neste ou em qualquer outro sistema de ensino e que brilharão sempre e em quaisquer circunstâncias e independentemente delas. E apesar delas. Mas são excepções. São minorias. São comandantes de um exército sem soldados. E sem estes não se ganham batalhas. Muito menos guerras.

De resto, é sintomática a forma como o Ministério da Educação nos apresenta os resultados obtidos nas diferentes disciplinas: através de médias aritméticas. Isto é: põe os resultados da minoria óptima a mascarar de bons os resultados da maioria má. Mas assim a média fica boa ou razoável – uma forma de enganar os distraídos. E de branquear um sistema falsamente pedagógico e falido. (Qualquer pessoa com formação pedagógica sabe que a maneira honesta de apresentar resultados é com outras medidas de tendência central – a moda e a mediana. Mas isso são outros contos).

Uma questão final: são a novas gerações menos inteligentes ou menos capazes do que as dos seus Pais e Avós? Evidentemente que não! Estes tiveram a sorte de uma Escola que lhes exigiu esforço, trabalho e os treinou a enfrentar obstáculos e dificuldades. Aquelas tiveram e têm o azar de uma Escola que lhes mentiu e mente um projecto de vida acolchoada em algodão em rama côr-de-rosa.

Nota: por decisão do autor, este texto não obedece ao impropriamente chamado acordo ortográfico.



Mais de M. Moura Pacheco

M. Moura Pacheco - 21 Ago 2019

Foi com esta expressão que um antigo ministro da Economia (António Pires de Lima) caracterizou a busca infrene e disfarçada de pecúnia por parte da Autarquia lisboeta. A expressão veio para ficar. O pior é que o método também. E – pior ainda – foi copiado e adoptado pelo governo central. Trata-se de um método […]

M. Moura Pacheco - 26 Jun 2019

1 – Antes de mais, uma declaração de (des)interesses: eu não sou fumador. 2 – «Beato(a)» é um termo que se aplica correntemente aos fanáticos religiosos que, pelos seus exageros, pervertem a religião e assim a desautorizam e desprestigiam, transformando a Fé na sua antítese – a crendice. 3 – Acontece porém que não é […]

M. Moura Pacheco - 5 Jun 2019

1 – Há frases que entram bem no ouvido, independentemente do acerto ou desacerto do seu conteúdo. E, se caídas no «ouvido colectivo», tão rápida como acriticamente passam a estribilho da moda, senão mesmo a «slogan» com pretensões a máxima de pensamento político. 2 – «A saúde não é um negócio» é uma dessas frases […]


Scroll Up