Espaço do Diário do Minho

Elogio da bondade
30 Jul 2019
João António Pinheiro Teixeira

Na selecção de pessoas para funções políticas – e na avaliação do respectivo desempenho – os critérios que costumam avultar são a competência e a ambição.

Os dois interagem. Para muitos, competente é o ambicioso e ambicioso é o competente.

É certo que, ocasionalmente, lá aparece uma referência à humildade. Trata-se, porém, de uma concepção encolhida de humildade.

Hodiernamente, considera-se humilde quem parte de baixo, mas com uma vontade obstinada de chegar ao topo.

Numa sociedade fortemente competitiva – com acentos desmedidamente egocêntricos –, nota-se que cada um faz tudo para si, colocando-se antes – e acima – dos outros.

É a nossa realidade. Mas é também o nosso problema.

É pena que as pessoas boas não sejam valorizadas.

Ou que, pelo menos, não seja posta em devido realce a bondade que transportam.

Dá mesmo a impressão de que a bondade é uma contra-indicação. Não raramente, ela é conotada com a ingenuidade.

Quantas já não foram as vezes em que os nossos ouvidos registaram afirmações do género: «É muito boa pessoa. Por isso, não serve»!

Acresce que ninguém reage. Até parece que no mundo não há lugar para boas pessoas.

Não se pense que esta percepção é de agora, embora ela esteja a acentuar-se nos últimos tempos.

Já Nicolau Maquiavel reconheceu, há séculos, que «um príncipe, se quiser manter-se no poder, tem de aprender a não ser bom».

Para ele, há uma incompatibilidade estrutural entre a bondade e o exercício do poder. É que «um homem que se empenhe no bem morrerá no meio de tantos homens maus».

Quanto a isto, basta olhar para o Mestre dos mestres. Que aconteceu a Jesus?

E não foi Ele a prevenir-nos de que «o discípulo não é superior ao Mestre» (Lc 6, 40)? Porque é que a bondade incomoda tanto?

O certo é que a bondade não costuma ter lugar reservado na mesa onde se senta o poder. É preciso, por conseguinte, mudar de paradigma. E, graças a Deus, ainda há muita gente de bem na vida pública.

É urgente abrir-lhes caminho e não bloquear os seus passos. O mundo só mudará – para melhor – quando for dirigido por pessoas boas.

Urge apoiá-las, estejam onde estiverem. É hora de as colocar à frente das instituições e dos povos. Basta de cinismo alçado à categoria de inteligência.

Chegou o momento de perceber – como Agostinho da Silva percebeu – que «o supremo entender é a bondade»!



Mais de João António Pinheiro Teixeira

João António Pinheiro Teixeira - 18 Fev 2020

É grande o risco de acidente quando se conduz ao contrário. Não estaremos nós a correr esse risco? Em vez de valorizar a vida, andamos a banalizar a morte. Em vez de (procurar) viver a morte, vamo-nos limitando a matar a vida. Daí que, em vez de nos preocuparmos com a qualidade de vida, optemos […]

João António Pinheiro Teixeira - 4 Fev 2020

Talvez sem nos apercebermos, fomo-nos tornando mais autómatos que autónomos. É um facto que passamos o tempo a exaltar a autonomia. Mas, no fundo, também gastamos a vida a praticar uma estranha – embora raramente assumida – automatia. Se repararmos, são muitas as palavras que repetimos mecanicamente. E são inúmeros os gestos que realizamos sem […]

João António Pinheiro Teixeira - 28 Jan 2020

Entende-se que nem todas as ocorrências possam ser noticiadas. Mas é difícil perceber que alguns acontecimentos sejam repetidamente omitidos. No que respeita aos conflitos, se não é possível referir todos, que, pelo menos, não se silenciem sempre os mesmos. É que, por vezes, prevalece a impressão de que, a par de tantas «guerras lembradas», parece haver […]


Scroll Up