Espaço do Diário do Minho

Desafios da adolescência

26 Jul 2019
Ana Baptista

A adolescência é uma fase transitória do desenvolvimento humano caracterizada por grandes mudanças físicas e psicológicas. O adolescente vive um processo de construção da sua personalidade, da perceção de si, do outro e do mundo ao mesmo tempo que lida com a puberdade (alterações físicas e biológicas). Assim, se para uns esta é uma fase em que se sentem seguros, para outros é uma fase de adaptação que tem impacto na sua autoestima e autoeficácia.

É neste período do desenvolvimento que ocorrem mudanças de escola, de colegas e de professores, podem surgir ou terminar relações amorosas e de amizade. Mudanças estas que são importantes para a maturidade psicoafectiva do adolescente, mas de difícil gestão para a família. Os pais devem antecipar algumas mudanças, informando das possíveis dificuldades e como podem ser ultrapassadas na prática, como também devem validar o sofrimento que muitas vezes advém destas situações, referindo que entendem o que estão a sentir, assegurando que as mudanças poderão ser positivas.

Geralmente na adolescência surge a necessidade de aceitação que acompanhada por todas as mudanças referidas, conduz à dificuldade de expressão e autorregulação de emoções, o que pode levar a alguns adolescentes a exprimirem-se de forma mais impulsiva. É um período em que devem adquirir responsabilidades e competências, onde a sua personalidade em construção ganha novas características e consolida outras já existentes. Nesta fase, os pais têm um papel fundamental na sinalização e prevenção de comportamentos de risco ou de exclusão e na promoção de competências e responsabilidades. Neste sentido, é essencial que os pais estejam atentos ao discurso dos filhos, à sua integração no seu grupo de amigos ou a mudanças de comportamento inesperadas. É de esclarecer que os adolescentes começam a delimitar o seu espaço pessoal e a tornarem-se mais independentes para determinadas atividades e rotinas, e, portanto, têm momentos em que necessitam e requerem a sua privacidade, o que quando acontece de forma ajustada deve ser respeitado pelos pais. 

Quando ainda em idade infantil há maior tendência dos pais elogiarem e reforçarem as novas aquisições da criança, este comportamento vai-se desvanecendo ao longo dos anos, sendo que as atenções estão muitas vezes direcionadas para o que os adolescentes fazem ou poderão vir a fazer de errado, deixando o que fazem corretamente subvalorizado ou em segundo plano. Porém, o reforço e o elogio adequados nesta idade são importantes, realçando que é uma forma de promover a sua autoestima e fazê-los sentirem-se capazes.

Como devem os pais lidar com os filhos adolescentes:

– Estar atentos aos comportamentos positivos da mesma forma que está aos negativos.

– Tentar responder a todas as dúvidas com clareza, se não tiver informação ou não tiver disponibilidade dirigir-se a quem possa esclarecer (profissionais de saúde, familiares).

– Compreender e aceitar que algumas mudanças, como um certo isolamento e algumas oscilações de humor são normativas, sendo que não devem ser julgados.

– Não desvalorizar alguns comportamentos: isolamento excessivo, agressividade, falta de cuidado pessoal e de higiene, demasiado tempo a utilizar telemóveis/computadores.

– Negociar a sua responsabilização, quer pelo rendimento escolar, quer por tarefas domésticas, sendo que comportamentos positivos devem ser elogiados e comportamentos negativos merecem reflexão e levar à consciencialização do adolescente para a mudança.



Mais de Ana Baptista


Scroll Up