Espaço do Diário do Minho

“Uma boa grelhada mista ou salada de canónigos e afins?”
21 Jul 2019
Eduardo Jorge Madureira Lopes

O Verão coloca a imprensa em slow mode. As revistas semanais de informação, como a Sábadoe a Visão, fazem capas com o Alentejo e os jornais diários inauguram as páginas estivais. Como de costume, surgem os inquéritos com perguntas rançosas. A praia preferida, o pesadelo de férias e banalidades do género são os assuntos que se presumem oferecer motivos de interesse para os leitores. Entre o que o jornal iquer diariamente saber dos seus inquiridos, há três questões que exemplificam a inanidade destes interrogatórios: “Quem gosta de seguir nas redes sociais?”; “Ainda usa palhinhas ou cotonetes?”; “Uma boa grelhada mista ou salada de canónigos e afins?”. Pode ser que o calor recomende um uso escasso da zona do cérebro mais dedicada a actividades intelectuais, mas, ainda assim, não deixa de ser sintomático que do inquérito esteja ausente qualquer pergunta sobre livros e leituras de férias.

“Pensa que, para além de não haver muitos leitores, a leitura está a perder terreno neste momento?”, perguntou, há nove anos, também em Julho, a jornalista Ana Gerschenfeld ao ensaísta Alberto Manguel, autor de inúmeras obras sobre leitura (e do extraordinário Dicionário de lugares imaginários) e ex-director da Biblioteca Nacional Argentina. A resposta subsiste actual: “O que está a perder terreno é a inteligência. Estamos a tornar-nos mais estúpidos porque vivemos numa sociedade na qual temos de ser consumidores para que essa sociedade sobreviva”.

O ensaísta é contundente: “E para ser consumidor, é preciso ser estúpido, porque uma pessoa inteligente nunca gastaria 300 euros num par de calças de ganga rasgadas”. Para Alberto Manguel, essa “educação da estupidez” faz-se desde muito cedo, mais precisamente desde o jardim-de-infância. “É preciso um esforço muito grande para diluir a inteligência das crianças, mas estamos a fazê-lo muito bem. Estamos a conseguir destruir aos poucos os sistemas educativos, éticos e morais, o valor do acto intelectual”.
As novas tecnologias viriam obviamente à conversa e a perspectiva do ensaísta é, sobretudo, sensata: “Estamos a mudar de objectos quotidianos a um ritmo impressionante. Mas nada disso me assusta, faz parte da nossa realidade. O que me assusta é a nossa utilização desses instrumentos e a falta de liberdade com a que os utilizamos. Estamos a transformar-nos cada vez mais em meros consumidores”. Alberto Manguel considera essencial reflectirmos sobre a questão, porque estamos a perder uma liberdade que define a nossa condição humana.

Explicando que é muito importante sabermos por que usamos ou não uma coisa, partilha a sua experiência singular: “Eu não uso telemóvel, não uso a Internet, não tenhoe-mail, mas é uma escolha, não é uma resistência contra algo que me poderia servir. A mim, essas coisas não me servem. Percebo perfeitamente que um cirurgião, que pode ser chamado de urgência, precise do telemóvel, mas a ideia dessa presença constante, dessa comunicação constante, dessa urgência constante, é totalmente falsa. E nós aceitámo-la – mas espero que consigamos reagir. Já chega, já brincámos com todos esses brinquedos e agora vamos pensar um pouco para saber se realmente precisamos deles”.

Tendo Ana Gerschenfeld notado que houve tempos em que uma pessoa não erudita, mas culta, tinha a obrigação de ter lido certos livros, mas que, hoje, essa ideia parece ter sido esquecida, Albert Manguel constata que a noção de “ser culto” foi abandonada. Agora, afirma o ensaísta, “não passa pela cabeça de ninguém dizer que uma pessoa é culta ou não é culta”. O acto intelectual perdeu prestígio, acrescenta, observando ainda que, hoje, “uma pessoa pode perfeitamente admitir que é estúpida, que passa o seu tempo a jogar jogos de vídeo ou que só se interessa pela moda. Não vai chocar ninguém. Antes, tínhamos vergonha de dizer coisas dessas, mas hoje é realmente espantoso ver o número de pessoas adultas que jogam jogos totalmente imbecis”.

O “anti-intelectualismo” é uma atitude comum. O diário francês Le Mondedatado de anteontem dedicou uma página ao assunto, entrevistando a académica Sarah Al-Matary, que recordou as bases históricas do desprezo pelos intelectuais, que subsiste, vigoroso, como Donald Trump boçalmente ilustra. O desdém tem antecedentes. O escritor anti-semita Louis-Ferdinand Céline, nos anos 30 do século XX, garantia que em França os judeus ocupavam os lugares de poder por apenas eles saberem ler. Sarah Al-Matary conta ainda que Hitler, para não ser desconsiderado, interditou a difusão de qualquer imagem sua que o mostrasse de óculos. Como se vê, há muito boas razões para ler. No Verão ou em qualquer outra estação do ano.



Mais de Eduardo Jorge Madureira Lopes

Eduardo Jorge Madureira Lopes - 15 Dez 2019

A Intendência Geral dos Abastecimentos anunciava no final de Maio de 1947 que as massas alimentícias passavam a estar “em estado de comércio livre”. A informação, que seria publicada no dia 1 de Junho na segunda página do Diário do Minho, dava também conta da suspensão do racionamento de pão cozido de milho, de farinha […]

Eduardo Jorge Madureira Lopes - 8 Dez 2019

Um dos exercícios jornalísticos habituais de Dezembro serve para recordar o que o ano que se apressa a terminar trouxe de mais profícuo no campo cultural. Os balanços já começaram e irão abundar e, em alguns casos, dirão respeito também à década que finda. Em matéria de livros, há um cuja edição portuguesa importa destacar. […]

Eduardo Jorge Madureira Lopes - 1 Dez 2019

A circunstância de estar prestes a ser assinalado o Dia dos Direitos Humanos, que, anualmente, a 10 de Dezembro recorda a adopção há 71 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos pela Assembleia Geral das Nações Unidas, oferece um oportuno pretexto – como se ele fosse necessário – para que não se ignorem duas recentes […]


Scroll Up