Fotografia: Nuno Cerqueira
Mais de três toneladas de bivalves apreendidas em Viana do Castelo

Um indivíduo foi identificado.

Nuno Cerqueira
16 Jul 2019

A Unidade de Controlo Costeiro (UCC), através do Destacamento de Controlo Costeiro (DCC) de Matosinhos, apreendeu hoje em Viana do Castelo 3, 228 toneladas de bivalves, com o valor estimado de 28 500 euros.

 

Segundo apurou o Diário do Minho junto o DCC de Matosinhos, a apreensão decorreu durante uma ação de fiscalização rodoviária.

«Orientada para a verificação e controlo do transporte de pescado fresco e moluscos bivalves, os militares detetaram um veículo de mercadorias que transportava amêijoa-japonesa, Ruditapes philippinarum, pé-de-burro, Vênus verrucosa, e berbigão, Cerastoderma edule, cujo documentos que sustentavam o seu transporte estavam incorretamente preenchidos, originando falta de rastreabilidade dos mesmos e consequentemente a possibilidade de constituírem um perigo para a saúde pública», confirmaram os militares da GNR.

O DCC de Matosinhos acrescentou ainda que a ameijoa não possuía o tamanho mínimo legal para captura e comercialização, ou seja, quatro centímetros.

A GNR frisa ainda que a ingestão de bivalves contaminados pode causar graves problemas de saúde.

«Os moluscos bivalves são organismos que se alimentam por filtração, possuindo a capacidade de acumular nos seus tecidos vários contaminantes, que se forem consumidos, podem provocar diversos tipos de intoxicação», acrescenta a autoridade.

As interdições de captura dos moluscos bivalves, equinodermes, tunicados e gastrópodes marinhos vivos aplicam-se ao público em geral, mariscadores profissionais e amadores, independentemente do processo de captura.

Um indivíduo, com 35 anos, foi identificado pela DCC de Matosinhos, «sendo elaborado o respetivo auto de notícia por contraordenação, devido ao transporte de espécies bivalves em estado imaturo e por falta de rastreabilidade, que constituem infrações puníveis com coima máxima de 37 500 e 25 000 euros, respetivamente», frisa a GNR.

Os bivalves aguardam por inspeção higiossanitária.





Notícias relacionadas


Scroll Up