Espaço do Diário do Minho

Vai, estás perdoado!
15 Jul 2019
António Sílvio Couto

Nos tempos mais recentes fomos percecionando situações que bem podem ser catalogadas nesta expressão: ‘vai, estás perdoado’! Com isto queremos significar que os sujeitos – por vezes enfaixados de predicados, a seus olhos – em causa podem seguir o seu caminho, que bem depressa sairão do horizonte em que têm andado a flutuar…

Ainda sem irmos aos casos, poderemos considerar que algumas figuras (mais ou menos conhecidas, vistas ou divulgadas) se acham quase-insubstituíveis e encenam a sua partida como se fosse um fim dramático, caindo um tanto no ridículo e numa escusada vulgaridade. Dá a impressão que, por muito que tenham conseguido, não foram suficientemente agradecidos e/ou agraciados. Nota-se, afinal, algum infantilismo e imaturidade de quem, tendo feito o que lhe era devido, usa as armas de ser (quase) imprescindível, mesmo que isso seja bizarro e nefasto a si mesmo e aos demais.

Vejamos alguns episódios:

* Um tal chefe de governo que se anunciou a si próprio como candidato putativo, sem se tenha percebido logo para que cargo europeu em concreto ou convidado quem o tinha indigitado… Fica mal pôr-se em bicos de pés, sobretudo, se os ditos são de barro e sem alicerces… razoáveis. Claro como o tal sujeito está sob a alçada duma tal simpatia popular, comprada com o silêncio cúmplice, ninguém reparou na gaffe! A quem almejava tais pretensões dizemos: vai, estás perdoado… pelas ilusões que vendeste e pelas patranhas em que nos fizeste entrar… Pode-se enganar muito tempo, mas não o tempo todo e, sobretudo, aos papalvos todos!

* Por vezes há trabalhos – humanos, sociais, pastorais e culturais – que conseguem destoar da vulgaridade, tanto pelo que foi operado como pelo espaço onde foi implementado. Isso, normalmente, é conseguido pelo empenho, o compromisso e o laboral de pessoas, que vivem no tempo certo e na ocasião oportuna. Saber interpretar as condições favoráveis é algo que nem todos conseguem realizar.

Quando tal acontece é bom e salutar saber – dizemo-lo no contexto dos valores do Evangelho – como desenvolver os dons, as qualidades e os carismas de cada um em favor de todos. Será, no entanto, questionável que se pretenda deixar essa tarefa, dando a entender que se quer sair, mas que ainda há uma réstia de vontade de se prolongar, embora a pedido… Talvez este jogo não seja honesto nem tenha as regras cifradas no verdadeiro.

Agora que em tantas das dioceses há mudanças de agentes da pastoral, será que tudo será tão claro quando visto ou leal quanto dito? A qualidade de quem parte pode entender-se pelos frutos de continuidade em quem fica e quem recebe deverá saber acolher quem substitui!

* Nas deambulações das coisas da vida vemos tantos episódios que chamuscam a integridade da maior parte dos intervenientes, umas vezes por incúria dos sujeitos, outras vezes por incapacidade dos predicados e noutros casos por ignorância dos complementos. Com que facilidade alguns se pretendem fazer passar por competentes, quando não passam de oportunistas, enganando os mais incautos e sobrepondo-se a quem lhes pode fazer frente ou sombra. Com infeliz naturalidade vemos que o facto de serem de ‘certas famílias’ ou por pertencerem a cliques reinantes – políticas, ideológicas ou de género – conseguem postos de poder, que mais não passam de correias de interesses múltiplas vezes subtis.

* Na sabedoria popular encontramos adágios que nos comunicam muito daquilo que é experiência feita. Assim neste capítulo ‘do sair e do entrar’, seja daquilo que for, diz-nos essa escola de vida: ‘atrás de mim virá quem bom de mim fará’ ou ainda ‘a qualidade do mestre revela-se naqueles que vem depois dele’, podendo serem (até) melhores do que ele… Se as sementes eram de qualidade, os frutos ver-se-ão!

Deste modo, certos apegos aos lugares ou considerando que tudo acaba se eu partir, para além de não ser verdadeiro, pode servir para perceberemos a quem servimos: se a nós mesmos, se aos outros ou se Deus nos outros, que Ele coloca no nosso caminho… em cada etapa da história.

DESTAQUE

Com que facilidade alguns se pretendem fazer passar por competentes, quando não passam de oportunistas, enganando os mais incautos e sobrepondo-se a quem lhes pode fazer frente ou sombra.



Mais de António Sílvio Couto

António Sílvio Couto - 20 Jan 2020

Esta expressão –‘simili modo’ – aparece-nos em vários momentos bíblicos e litúrgicos, numa referência de comparação entre algo transcendente e a nossa condição terrena, bem como na tentativa de incluir em linguagem humana aquilo que os nossos limitados sentidos vão conseguindo atingir, observar e almejar. Ora, nas múltiplas incidências da nossa vida poderemos tentar analisar […]

António Sílvio Couto - 13 Jan 2020

Os dados foram publicitados recentemente: em 2018, os portugueses gastaram 35,5 milhões de euros, por dia, a comer fora de casa. As contas totais, segundo as estatísticas da UE, perfizeram cerca de 13 mil milhões de euros que as famílias portuguesas gastaram a fazer refeições em restaurantes, cafés, cantinas e similares. Atendendo à média europeia […]

António Sílvio Couto - 6 Jan 2020

A avaliar pelas várias, multiformes e altissonantes condecorações, conferidas pelo ‘estado português’ – no passado ou nos tempos mais recentes – podemos considerar que há uma espécie de saldos nesta distinção nacional. Não estão em causa muitas dessas benesses auferidas por figuras que se destacaram nas mais díspares atividades de presença de portugueses/as no mundo […]


Scroll Up